Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

quarta-feira, setembro 29, 2010

SEMELHANÇA DE SOBRENOME FAZ CIDADÃ AMERICANA DESCOBRIR QUE SEU PAI BRASILEIRO FOI ASSASSINADO ATRAVÉS DO NOSSO BLOG.

José Hernandez e sua esposa Carla Brito

Carla Brito

Anderson Brito

Vereador assassinado João Prudêncio de Brito

Não fosse este blogueiro ter a coragem de contar a história do primeiro crime político em 19 de setembro de 1991 no município de Parauapebas, no Pará, aqui neste nosso blog, não teríamos como registrar a história que passamos a narrar a seguir. 

Tudo começou no dia 29 de março do corrente ano, quando recebi um e-mail de um jovem do Paraná, identificando-se como o filho mais jovem do João Prudêncio de Brito que fôra assassinado pela máfia política do município de Parauapebas alí instalada na década de 90, tendo como seu principal cabeça e mentor intelectual o primeiro mandatário daquele mais novo município de nome Faisal Salmen, atualmente vereador daquela cidade. 


Na referida mensagem, o mesmo me pede mais informações sobre a morte de seu genitor, já que o mesmo navegando na internet, deparou-se com meu blog casualmente e leu a matéria que falava do trágico fim de seu pai, conforme cópia de sua mensagem a seguir. 

Olá boa tarde Valter...

Meu nome é Anderson Birto sou o filho mais novo de João Prudêncio de Brito ( Vereador Brutalmente Morto) citado em seu blog
Gostaria de agradecer sua coragem em denunciar e também de pedir sua ajuda para tentar rever este caso..quando meu pai foi embora do Paraná fiquei com 30 dias de vida e esperei por todos os meus dias o nosso reencontro mais infelizmente fui privado disso e ainda não pode desfrutar de nada que ele construiu peço sua ajuda para saber mais sobre tudo isso e quem sabe poder fazer justiça ou até mesmo retomar oq é nosso por direito se poder me adicione no msn skemaproducoes@hotmail.com

desde já agradeço profundamente sua boa vontade...

Anderson Brito 


No dia 03 de junho do ano em curso, fui surpreendido com uma mensagem em inglês que me deixou perplexo conforme cópia a seguir: 


Hi, my name is Jose Hernandez and I am writing to you today because I have a few questions and concerns about Joao… 

I am married to Carla De brito who has been looking for her dad for about 15 years, her mom married a Brazilian guy named Joao prudencio De brito and had 2 kids with him, a boy who is now 42 years old and a girl Carla who is now 28 years old. 


She was born in maraba and her mom divorced Joao when she was like 2 years old and she came to live in the United states, Miami, Florida. 

I don’t know if this is the same Joao that she married but when Carla started looking for her dad she was told that he was killed because he was a political figure and the story on your blog matches what she was told. 


Is there anyway you can assist me in finding out if this was indeed her dad or if this is just a coincidence. 

I appreciate any and all help you can offer, thanks a lot… 
 
Ao traduzir para o português, fiquei sabendo que eu estava sendo protagonista de uma descoberta inédita no mundo virtual. 


É só observarmos o que diz o texto em protuguês: Hi, meu nome é Jose Hernandez e eu estou escrevendo a você hoje porque eu tenho alguns perguntas e preocupações sobre João… 

Eu me caso com Carla brito de De que tem procurado o pai dela durante aproximadamente 15 anos, a mãe dela se casou um sujeito brasileiro nomeou prudencio de João brito de De e teve 2 crianças com ele, um menino que tem agora 42 anos e uma menina Carla que tem agora 28 anos. 


Ela nasceu em maraba e a mãe dela se divorciado o João quando ela era como 2 anos velho e ela veio morar nos estados Unidos, Miami, Flórida.

Eu não sei se este é o mesmo João que ela se casou mas quando a Carla começou procurando o pai dela que lhe foi falada que ele foi matado que porque ele era uma figura política e a história em seu blog emparelha o que ela foi contada. 


É lá de qualquer maneira você pode me ajudar descobrir se este realmente fosse o pai dela ou se esta é há pouco uma coincidência. 

Eu aprecio qualquer e toda a ajuda que você pode oferecer, muito obrigado…
 

No dia 08 de junho, cinco dia após receber a mensagem acima, recebo a seguinte: My father Joao Prudencio De Brito

Brito, CarlaHello,
I am sorry it has taken me this long to write to you in response to th...
8 jun

Hello,
I am sorry it has taken me this long to write to you in response to the email you sent my husband Jose Hernandez in reference to my father Joao Prudencio De Brito. 


It has been hard for me to build up the courage to write back to you, only because I have lived my whole life in doubt about my father. 

And to all of a sudden get information about him is almost unreal.
 

I am almost positive with the information you gave in your email that you are talking about my father whom I haven’t seen or hear of since I was 2yrs old. 

I am now 27 will be 28 this Saturday June 12, 2010 I was born in Maraba, Brazil I would like to confirm that this is my father you are referring to in your email. 

I have wanted nothing more than to just hear his voice ever since I can remember, being raised without my father has been very traumatic for me. 

And I truly from the bottom of my heart appreciate you helping me. 

All I want is to get some answers and to be able to visit his grave. 

I am sending you this email from my work email but my email at home is carla2715@hotmail.com.
Again thank you so much for your help.

Traduzindo para o português, certifico-me que estou diante de uma história da vida real que produtores de cinema e novelas tiram proveito desses dramas para engordarem suas contas nos bancos.

Oi,
Eu sinto muito me levou este longo escrever a você com respeito ao e-mail você enviou para meu marido Jose Hernandez em referência para meu pai João Prudencio De Brito. 


Foi duro eu construir a coragem para escrever de volta a você, só porque eu vivi minha vida inteira em dúvida sobre meu pai. 

E adquirir informações de repente sobre ele é quase irreal.
 

Eu sou quase positivo com a informação que você cedeu seu e-mail que você está falando sobre meu pai quem eu não vi ou ouvi de desde que eu era 2yrs velho. 

Eu sou agora 27 serão 28 este sábado 12 de junho de 2010 que eu nasci em Maraba, Brasil que eu gostaria de confirmar que este é meu pai que você está se referindo para em seu e-mail. 

Eu quis nada além de ouvir há pouco a voz dele desde então eu posso me lembrar, sendo elevado sem meu pai foi muito traumático para mim. 

E eu o aprecio me ajudando verdadeiramente do fundo de meu coração. 

Tudo que eu quero são adquirir algumas respostas e poder visitar a sepultura dele. 

Eu estou lhe enviando este e-mail de meu e-mail de trabalho mas meu e-mail em casa é carla2715@hotmail.com.
Obrigado tanto novamente por sua ajuda.


Obrigado,
Carla DeBrito

Confirmado que estava diante da filha do João Prudêncio de Brito, perguntei-lhe se ela tinha conhecimento da existência de mais algum irmão biológico, e ela me respondeu que não, pois desde os seus dois anos de idade que havia deixado o Brasil com a sua mãe, não tinha contato com ninguém da família de seu pai. 

Aproveitei a oportunidade e informei-lhe do meu contato com um de seus irmãos que reside no Paraná e enviei-lhe o endereço de seu e-mail e não demorou muito, ela entrou em contato com ele, começaram a trocar mensagens e informações sobre suas famílias e agora estão planejando um encontro para definitivamente selarem essa grande descoberta que infelizmente só veio acontecer após a morte trágica de seu pai João Prudêncio de Brito.
Só tenho a agradecer a Deus, porque independente desses dois irmãos se descobrirem após ter acesso a uma matéria que aborda a barbárie que praticaram com seu pai ceifando-lhe a vida, foi dessa forma que Deus permitiu que dois irmãos unidos pela dor da perda de seu pai descobrissem a existência um do outro em territórios tão distante um do outro e falando línguas diferentes. 

A Deus seja dada toda a honra e toda a glória!

EXPOSIÇÃO DE ARTEFATOS DE GRÃOS DE AÇAÍ É DESTAQUE NA MÍDIA ESTADUAL DO PARÁ.

Artesão Valter Barreto nos estúdios da RBA prestando-lhe homenagem.

O sucesso da exposição de produtos confeccionados à partir de grãos de açaí nas dependências da Universidade Estadual do Pará-UEPA, nos dias 20,21,22,23 e 24 deste mês de setembro, que mereceu dastaque nos programas "METENDO BRONCA" e "JORNAL RBA" na noite do último dia 25 do mês em curso da emissora de televisão RBA, afiliada a BAND no Pará.

Os artesãos Valter e Gina Mikawa agradece o apoio da referida emissora aos seus trabalhos fabricados com grãos de açaí inéditos no Pará, no Brasil e no mundo, já que os mesmos são os criadores exclusivos das produções com essa matéria prima que ao longo do século é jogada fora não só no Pará, como nos demais estados do Norte do Brasil.

Em homenagem a emissora, o Artesão Valter Barreto, entregou nesta terça-feira, 28, um tapete confeccionado com grãos de açaí personalizado, com a logomarca da referida emissora a uma das representantes dos profissionais da comunicação do departamento jornalístico do veículo de comunicação que tem prestado relevantes serviços ao povo paraense, que é a RBA.

segunda-feira, setembro 27, 2010

Novo comentário em QUEM TERIA INTERESSE NA MORTE DO EX-VEREADOR JOÃO ....


Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "QUEM TERIA INTERESSE NA MORTE DO EX-VEREADOR JOÃO ...":

Parabéns Professor, o senhor realmente é um homem do bem. Que Deus o proteja.
Em nome de meu Pai agradeço todo o seu empenho, coragem e fome de justiça.

Mas infelizmente nesse País......

Um forte abraço.

Novo comentário em BEBIDA ALCOÓLICA COM ESPORTE

Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "BEBIDA ALCOÓLICA COM ESPORTE NÃO COMBINAM":

Valter foi mesmo Deus que me mostrou esse seu Blog,pois eu precisava mesmo estar compartilhando alguns fatos que eu presenciei.


Eu não consigo crêr e não consigo entender um fato que vi a uns dias atrás em uma cidade do interior próxima de são paulo, pude ver encontro de jovens de várias cidades em um campeonato organizado por .......
O pior que eu vi jovens bebendo já no inicio do dia as 06:00 da manhã quando eu estava fazendo meu esporte favorito.


O Que eu pude ver e perceber na verdade é uma festa da Cerveja,fumaça,barulho,bagunça,
ervas,matos etc... menos um campeonato esportivo como eles dizem,é para disfarçar.
Agora quem banca tudo isso, porque a cidade autorisa esse tipo de evento,porque eles fecharam os olhos para essa bagunça.


Vi Placas de cinalizações arrancadas,praças cidade cheio de latas de cerveja nos bancos, nas gramas,etc...
Me deparei com um jovem cheirando um pó em plena luz do dias as 12:00horas parecia tudo liberado, ou sera que já liberou e eu ainda não sei.
A PAZ.

sábado, setembro 25, 2010

CASAL DE ARTESÃOS REALIZA EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS CONFECCIONADOS COM GRÃOS DE AÇAÍ NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARÁ-UEPA, EM BELÉM.




Foi realizada nos dias 20, 21, 22, 23 e 24 do corrente mês, a primeira exposição de produtos confeccionados com grãos de açaí em Belém, capital do estado do Pará. 

Graças a generosidade da Universidade Estadual do Pará - UEPA, Campus II, ao lado do Bosque Rodrigues Alves na Avenida Almirante Barroso, na pessoa do seu Coordendor Administrativo Marcos Zanata. 

O casal de artesão criadores exclusivos dos produtos cofeccionados à base de caroços de açaí, Valter Barreto e Gina Mikawa, agradece publicamente pela oportunidade que esta instituição de ensino superior que engrandece ao estado do Pará não só pela qualidade de seus cursos oferecidos para àqueles que desejam especializar-se em diversos segmentos profissionais, mas também pela seriedade e competência que seu corpo administrativo desempenha frente à mesma. 


DOS PRODUTOS APRESENTADOS NA EXPOSIÇÃO


Na exposição foi apresentado uma pequena amostra do que se pode fabricar com essa matéria prima que é jogada fora ao longo dos anos não só no estado do Pará, como nos demais estados do Norte do Brasil que tem uma grande incidência de consumo do suco do açaí. 

O que causou admiração e perplexidade as pessoas que visitavam a exposição, foi saber que estavam diante da única pessoa no mundo que desenvolveu a técnica de utilização do caroço do açaí de forma sustentável, confeccionando diversos objetos úteis aos seres humanos, após descartado e jogado no lixo. 

BENEFÍCIOS DO APROVEITAMENTO DO GRÃO DE AÇAÍ
O aproveitamento do grão do açaí, além de contribuir com o meio ambiente, evitando acúmulo de lixo nas calçadas dos diversos endereços de batedores de açaí, pode-se substituir diversos tipos de móveis fabricados com madeiras extraídas de árvores que são derrubadas na Amazônia de forma desordenada, causando desequilíbrio à natureza.

Inclusive, é bom que se diga, que o tempo de vida útil do grão de açaí, é superior a maioria das árvores que são derrubadas nas florestas do nosso país por dois motivos: o primeiro, o grão do açaí é anti-fungo; o segundo, é anti-cupim, inimigos número um da maioria das madeiras. 

E por último, salientamos, que através da produção em escala comercial dos diversos produtos à base de grão de açaí, podemos abrir porta de trabalho e renda para muitos pais e mães de família que se encontram fora do mercado de trabalho por diversos motivos.

Qualquer pessoa interessada em saber mais detalhes sobre essa mais nova atividade profissional inédita no mundo, entre em contato conosco através de nosso e-mail: valterbt@gmail.com inclusive nos convidando para ministrar oficinas e palestras sobre reciclagem de grãos de açaí e fazendo encomendas de nossos produtos.

Você adquirindo nossos produtos confeccionados com essa matéria prima reciclável, além de está contribuindo com o meio ambiente, também estará nos ajudando a abrir mercado de trabalho para muita gente que se encontra desempregada por diversos motivos. Salientamos também, que nosso objetivo é empregar 100% dos lucros das vendas de cada produtos que fabricamos em projetos sociais.

Valter Desiderio Barreto. 
















 














 
 














 
 






















sexta-feira, setembro 24, 2010

Decisão sobre validade da Lei da Ficha Limpa está nas mãos do eleitor


Alexandre Garcia diz que impasse no Supremo obriga eleitores a assumirem sua responsabilidade e não votar em candidatos com ficha suja.

O julgamento do Supremo não teria terminado com o impasse sobre a Lei da Ficha Limpa. Isso é um fato. E se julgar depois das eleições? O que poderiam alegar os barrados por sujeira? Que foram eleitos enquanto a lei estava sub judice e que foram julgados e aprovados pelo eleitor?

Pode-se ter esta preocupação, mas há um outro lado. O movimento Ficha Limpa, mobilizando milhões de eleitores, empurrando a Câmara e o Senado, provocando julgamentos em todas as instâncias da Justiça Eleitoral, chamou a atenção do país para o fato de que nas listas de candidatos oferecidas pelos partidos políticos existem sujos e limpos.

O impasse no Supremo parece providencial. Diz aos eleitores: "isso é com vocês. Não empurrem a decisão do voto para os outros, nem mesmo para os julgadores supremos".

Muitos se queixam de que as opções são pobres, medíocres. Essa queixa tem que ser encaminhada aos partidos políticos, que aceitam fichas sujas como candidatos.

O empate no Supremo sacode a todos nós, eleitores. Nós é que julgamos a quem vamos entregar a administração dos nossos impostos, 30 a 40% do produto do nosso trabalho.

O supremo julgamento não está na Praça dos Três Poderes. Está na urna da nossa sessão eleitoral. Está na nossa consciência, que vai decidir o nosso futuro e o futuro dos outros. Este empate força a entender que a decisão está nas mãos de quem sempre esteve: o eleitor. Que agora ainda tem mais destacada essa diferença entre ficha limpa e ficha suja.

No dia 3 vamos digitar o futuro.

domingo, setembro 19, 2010

QUEM TERIA INTERESSE NA MORTE DO EX-VEREADOR JOÃO PRUDÊNCIO DE BRITO?



HOJE COMPLETA 19 ANOS DO PRIMEIRO CRIME POLÍTICO DE PARAUAPEBAS. LEIAM ABAIXO TODA ESSA HISTÓRIA VERGONHOSA DE UM CRIME QUE FICOU NA IMPUNIDADE QUE CEIFOU A VIDA DO VEREADOR JOÃO PRUDÊNCIO DE BRITO.

CONHEÇA ESSA HISTÓRIA QUE O BRASIL E O MUNDO NUNCA TOMOU CONHECIMENTO.


Hoje, 19 de setembro de 2009, completa mais um ano do assassinato do ex-vereador João Prudêncio de Brito.
Por tanto, 19 anos de sua morte sem que nada tenha sido feito pela nossa justiça brasileira para punir os responsáveis por àquele crime bárbaro.
Somente porque era um homem público sério, não gostava de bandalheira e nem de corrupção no meio político, foi barbaramente e covardemente assassinado por pistoleiros frios e contumazes, sob o comando da máfia política daquela época que se estabeleceu no município de Parauapebas, sudeste do Pará.
Até hoje, os mandantes desse ato covarde estão tranqüilos, os assassinos, já estão debaixo do chão, tornando mais difícil para a justiça se quiser e tiver o interesse de reabrir o caso, (porque ainda não prescreveu, só prescreve com 20 anos), encontrar os autores intelectuais e puni-los. Crimes políticos são difíceis de serem apurados e levar seus responsáveis para trás das grades, a exemplo do caso do ex-prefeito de Santo André, Celso Daniel, que já se tem provas, testemunhas, gente presa, mas até agora, os mandantes não foram descobertos.
O caso do mensalão em Brasília, que terminou em pizza, a máfia política é muito poderosa, em Parauapebas não poderia ser diferente, o João Brito foi morto exatamente porque contrariava interesses de políticos medíocres da época e que continuam tentando se perpetuar no poder através do atual Vereador e ex-Prefeito e ex-Deputado Estadual FAISAL SALMEN, e sua Ex-esposa, Deputada Federal ISABEL MESQUITA.
A história, a maioria das pessoas daquela cidade já sabe, evidentemente, que não é com a riqueza de detalhes de quem acompanhou de perto e inclusive atuou como protagonista na época, assim como eu e demais companheiros que empunharam a bandeira da moralidade e em defesa do dilapidamento do patrimônio público municipal pelos políticos daquele período que se constituiu uma página negra no município mais rico do Brasil.
Já foi contada essa história na imprensa local e nos demais veículos de comunicação do estado, porém, por desencargo de consciência, pela primeira vez, será revelado neste blog quem foram os verdadeiros interessados na morte do ex-vereador João Prudêncio de Brito. Com certeza, depois da revelação feita, vão dizer que só porque ‘os caras’ morreram e não poderão se defender ou entregar os mandantes daquele crime hediondo, é que estamos revelando agora.
A justiça tem seus meios de apurar e investigar e tem como pedir o sigilo bancário de todos os suspeitos da época, não sei se tem como quebrar o sigilo telefônico, o certo é que agora é que chegou o momento, embora sabendo que continuarei a correr risco de morte, mas estou pronto para o que der e vier, só não posso é morrer com minha consciência pesada de não ter revelado em vida o que sabia sobre a morte do meu amigo e correligionário de partido político na época o PDT, onde éramos membros.
Em memória dele, pela confiança que tinha em mim, me pedia sempre, após entregar-me documentos que comprometiam não somente o gestor municipal da época, Faisal Salmen, como correligionários seus coniventes com o mesmo, que se acontecesse alguma coisa com ele, que eu divulgasse na imprensa, não só estadual, como na nacional, tanto que o mesmo me nomeou representante da C.P.I. da qual era o relator que decidira pela cassação do mandato do Faisal na época, junto à imprensa nacional e solicitou à empresa de transporte Útil a cortesia de duas passagens de ida e volta ao Rio de Janeiro para que eu denunciasse aos grandes veículos de comunicação daquele estado, o escândalo político que estava acontecendo em Parauapebas e as autoridades local e estadual não tomavam nenhuma providência, apesar de serem solicitadas.
A empresa prontamente nos doou as passagens. Eu tenho em meus arquivos, o veredicto da juíza Maria Vitória Torres do Carmo, quando impronunciou (absolveu) a D.Marlene Abadia da Silva, mulher do João Brito na época, acusada de ser a mandante da morte do mesmo, caracterizando assim em crime passional, custando-lhe 9 meses de cadeia de forma arbitrária, sendo solta da mesma, depois da minha ida ao Ministério da Justiça em Brasília denunciar o caso ao então Ministro da Justiça Célio Borja.
No documento, além da juíza fazer algumas censuras ao comportamento suspeito de cada testemunha, censura também de forma contundente a participação de um criminoso, Josimar Batista dos Santos, filho do então vereador José Dionísio dos Santos, que também já foi assassinado ainda por conta do crime do João Brito como queima de arquivo, rejeitando inclusive seu depoimento pelo fato do mesmo estar respondendo pelo assassinato bárbaro de uma mulher na antiga Rua do Meio, no Rio Verde, como testemunha de acusação, que na verdade veio a ser um dos dois pistoleiros que ceifou a vida do edil.
A juíza se convenceu que o crime na verdade foi político, só que parou por aí, nunca mais ninguém investigou nada. As minhas convicções de que a morte do ex-vereador João Prudêncio de Brito estão baseadas no que passarei a relatar a partir de agora.
Tudo começou no dia 1º de maio de 1990, quando convoquei a população através de um carro de som por duas horas na cidade, para participar de um ato público às 20 horas daquele dia no bairro Rio Verde, onde na oportunidade, eu iria apresentar pela primeira vez provas documentais contra desvios do dinheiro público pelo alcaide Faisal, através de uma nota fiscal de uma farmácia de Curionópolis, vendendo marmitex (comida) para a prefeitura de Parauapebas.
Após minha denúncia, foi instalada uma CPI pela Câmara de Vereadores no dia 03 daquele mês, para apuração da mesma junto ao Tribunal de Contas dos Municípios. Comprovada a denúncia através de fartos documentos comprobatórios, travou-se um batalha para o afastamento do prefeito corrupto.
Quando o Faisal reconquistou o direito na justiça de reassumir a prefeitura depois de ter sido afastado pela Câmara por 40 dias, negociou com todos os vereadores opositores a ele, sua permanência no cargo de prefeito até o final do seu mandato sem ser importunado com novas tentativas de cassação, só o vereador João Brito, não aceitou recuar em seu propósito de manter sua decisão de recomendar como relator da Comissão Processante, a cassação do Faisal Salmen, e para quem não sabe em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), a palavra decisória é a do relator, e não a dos demais membros, sua decisão vai para o plenário para ser aprovada ou rejeitada pelo plenário da Câmara.
Por sermos do mesmo partido político e muito amigos, a gente sempre estava conversando não só no seu gabinete, no prédio da Câmara, como na sua casa, e sempre nas nossas conversas, o assunto era o desfecho do imbróglio político vivido naqueles dias.
Certa vez fez questão de contar pra mim, não me lembro se nosso amigo Janês Piva, amigo nosso e membro do PDT, que sempre esteve junto conosco naquela luta, estava presente à conversa, quando João Brito muito preocupado revelou-nos que por várias vezes havia recebido proposta do Faisal Salmen por meio do vereador Fernando para refazer o relatório modificando seu parecer decisório de cassação do mandato do mesmo, em favor de sua permanência no cargo.
Como recompensa por tal benefício, bancaria através dos cofres públicos do município, todas as despesas de tratamento (passagens aéreas com acompanhantes, internação em clínica particular e despesas de manutenção enquanto durasse o tratamento) de sua esposa Marlene Abadia da Silva, em São Paulo, que na época passava por problemas de saúde, o que o mesmo sempre recusou, porque dizia sempre.
“Valter, ano que vem tem eleição, e eu vou me candidatar de novo, já pensou se eu voltar atrás e modificar meu parecer nesse relatório decidindo pela cassação do Faisal, o que é que o povo vai falar de mim? Que eu me vendi, e a única coisa que tenho para apresentar aos eleitores ano que vem, é a minha palavra, vergonha na cara e o meu caráter, porque dinheiro eu não tenho pra gastar”, finalizava ele.
O pior das propostas estaria por vir, que com certeza foi o principal motivo do assassinato do mesmo. Ainda em conversas costumeiras, o João Brito revela: “Valter, agora o Fernando me chega com outra proposta para assinar um documento solicitando à Procuradoria Geral do Estado, o arquivamento da representação que fizemos contra o Faisal, que em troca, além de eu receber ajuda para o tratamento da minha esposa, ainda receberei uma quantia em dinheiro, a exemplo do que já aconteceu com os outros que já assinou inclusive ele, (Fernando) já recebeu o dele, não sei quanto, mas segundo o acerto, o valor de cada assinatura é de acordo com a importância de cada vereador nesse processo, sendo assim, o Fernando e o Zé do Galo que são membros da CPI comigo já devem ter recebido uma quantia maior do que os outros, mas eu recusei Valter, não aceitei, embora eu esteja precisando, chateado com minha decisão, o Fernando se afastou dizendo pra mim: “É João, se você não assinar, tem quem assine por você, é só uma questão de tempo”. A partir daí, o João Brito ficou mais preocupado.
Em uma de nossas visitas a sua casa, eu e o Janês Piva, ao chegar à varanda da mesma, ele estava limpando um revolver calibre 38, um detalhe nos chamou muita atenção, seu semblante estava muito triste, com a fisionomia muito carregada, e em tom de brincadeira, exatamente para descontraí-lo, perguntamos-lhe se estava se preparando para um duelo, como um agouro, ele nos responde: “é amigos, o clima que estou enfrentando, agora, tenho mais é que me prevenir, porque de traição, nem Jesus Cristo escapou”. Já sentados, o Janês Piva lhe perguntou se tinha medo de morrer, ao que ele respondeu que sim.
Deu então pra entender a expressão do seu rosto que enquanto conversávamos, por mais que tentasse disfarçar a sua angústia por está vivendo um clima de incertezas dos rumos que os últimos acontecimentos tomariam, não conseguia.

Depois de um bom tempo conversando, despedimo-nos e fomos embora cada um para suas casas.

Outro fato que me convenço na cumplicidade da maioria dos vereadores da época na morte do João Brito, foi quando fui receber o “famoso” cheque sem fundos, enviado por Faisal na casa do ex-vereador Zé do Galo, que assim como o vereador Fernando da Ótica, era o intermediário das negociações sujas do ex-alcaide de Parauapebas, e que até bem pouco tempo tinha sido adversário e inimigo do mesmo, tanto que se tornou membro da Comissão Parlamentar de Inquérito, e recebo a seguinte observação do mesmo: “professor Valto (como era analfabeto, nunca pronunciava meu nome correto), o Faisal mandou te dizer, que é pra tu tirar esse dinheiro e sumir o mais urgente possível daqui com a tua família, porque se tu pensar que vai pegar esse dinheiro e continuar aqui infernizando a vida dele, tu é homem morto”.

Concluindo assim os indícios da participação dos vereadores da primeira legislatura do município de Parauapebas, na morte do João Brito que só fiquei sabendo através da minha ex-esposa quando cheguei a São Paulo e telefonei para a minha residência, para saber como estavam as coisas e ela me deu a trágica notícia, como eu não tinha entendido direito, perguntei-lhe: “É o Chico Brito ou o João Brito que você está falando ?”, ela confirma: “É o João Brito”, então lhe pergunto: “Já pegaram o assassino ?”, ela me responde que não, volto a perguntá-lhe: “Já sabem quem foi que mandou matar?” ela respondeu que não, então eu lhe disse: “Pois eu sei quem foi que mandou, deixa eu chegar aí”, e ela me repreende dizendo: “Olha você não vai se meter nisso não, ninguém aqui está podendo falar nesse crime, você vai ficar quieto se não pode sobrar pra você também”.
E quando retornei de viagem, resolvi apurar tudo o que aconteceu na minha ausência, quando já estava de posse de vários depoimentos e documentos que no meu entender, o prefeito da cidade, vereadores e delegados estariam envolvidos naquele crime hediondo, que para descaracterizar o mesmo como crime político, prenderam a mulher dele de forma arbitrária como suposta mandante do crime, assim que a mesma voltou do Paraná onde fôra levar o corpo do João Brito, pelo fato de seus familiares morarem lá, fui para a imprensa do estado e denunciei conforme todos já sabem.
O filho do Zé do Galo, depois de obter da justiça o benefício de liberdade condicional, contrariava na cidade todas as limitações impostas pela Lei, a quem vive essa situação, muito antes da morte do João Brito, fui desacatado pelo mesmo na Rua do Comércio, próximo à sorveteria dos irmãos Avelar e Alano, pelo fato do mesmo se sentir ofendido em uma referência que fiz sobre o crime cometido por ele em uma matéria que havia saído em um dos jornais da capital do estado, o que me fez procurar o seu pai na época para que o mesmo advertisse seu filho que eu apenas estava exercendo o meu papel de profissional da informação.
Pois é, esse mesmo elemento depois da morte do João Brito se dirigiu a mim quando eu caminhava pela Praça Mahtma Gandhi, e em um tom ameaçador me diz: “professor, tu quer sozinho consertar o mundo, vai acabar de criar tuas filhas, para de ta mexendo em casa de marimbondo, tu viu o que aconteceu com o João Brito por querer ser certinho demais, nem a Câmara se incomodou com a sua morte, ele foi quem saiu perdendo e muitos colegas dele se deram bem, e até quem matou ele está tranqüilo aqui na cidade, andando no meio de todo mundo como se nada tivesse acontecido, eu e o Belchior os conhecemos, a gente podia denunciar eles não podia? Mas o que é que vamos ganhar com isso? Escuta o que to te falando pro teu bem”.
Se me perguntarem por que só agora estou revelando esses detalhes depois que os supostos envolvidos já estão do “outro lado desta vida”, era porque minhas filhas na época eram indefesas, todas adolescentes, precisavam da minha proteção, hoje não, já são todas donas de seus narizes, até netos duas já me deram, até mesmo quando me sentir obrigado a me retirar da cidade em 96, depois da eleição fraudulenta da Bel Mesquita, como estratégia de garantir a minha sobrevivência, foi para preservar também minhas filhas que ainda eram menores de idade, e se continuasse na cidade, com certeza eu seria morto.
Eu não fui embora com medo dessa máfia desgraçada que a qualquer momento pode dar cabo da minha vida, fui para preservar a minha família, mas nunca pensei em abandonar esse caso.
Estou de posse da cópia do documento encaminhado à Procuradoria Geral do Estado, onde o mesmo pede o arquivamento da Representação feita pelos tais vereadores com seus respectivos nomes apostos no mesmo com suas devidas assinaturas, só falta a do ex-vereador João Prudêncio de Brito, que se recusara a assinar, e precisou morrer para alguém assinar em seu lugar, conforme ameaçou o seu colega Fernando.
Não é muita coincidência? Ele é assassinado no dia 19 de setembro de 1991, e no dia 02 de outubro eles assinam esse documento? Não esperaram completar nem um mês da sua morte para concretizarem seus planos.
Por que os dois filhos do vereador assassinado foram ameaçados por alguns vereadores quando os mesmos se deslocaram do Paraná com destino a Parauapebas para se informarem melhor o que de fato aconteceu com o seu pai, e ao procurar a Câmara de Vereadores que na verdade era o lugar indicado para tirar todas as dúvidas, foram então ameaçados pelos próprios vereadores que se encontravam presentes.
Segundo os mesmos que me procuraram na minha casa para saber mais detalhes, já que os vereadores os receberam com desprezo e os aconselhou que voltassem para suas terras que eles estariam se metendo com coisa perigosa e que podia sobrar pra eles também, fui obrigado falar para os mesmos que eles haviam procurado o lugar errado para apurar a morte do pai deles, e passei a contar-lhes tudo que até então eles não sabiam.
Despediram-se de mim e foram embora. Uma semana depois recebo um telefonema da mãe dos mesmos, agradecendo-me o que eu estava fazendo pelo seu ex-esposo (ambos eram separados há vários anos), mas que ela e nem os filhos não iriam mais se envolver no caso, porque eles foram ameaçados por vereadores que não souberam precisar seus nomes, e que ela sabia que a região era muito perigosa, fato esse noticiado pela televisão e ela não estaria juntamente com seus filhos, dispostos a correrem riscos de morte, mas que me agradecia muito pela minha atitude de está lutando por justiça, despedimo-nos, e depois quando tentei falar com ela, havia trocado o número do telefone, essas coisas o povo precisa saber.

Fiz a minha parte, as autoridades agora que façam a dela, não estou acusando ninguém, apenas com minhas revelações estou apontando caminhos para uma séria investigação sobre os verdadeiros interessados no assassinato do João Brito (antes que o mesmo prescreva), quem dirá quem são os culpados será a justiça, ela tem meios para isso.
Inclusive, procurando apurar a quem interessou retirar o nome do ex-vereador assassinado do auditório da Câmara Municipal de Parauapebas, só sendo recolocado após denúncias feitas no meu quinzenário Boca no Trombone do Estado do Pará, e com um agravante, assim como esperaram a minha retirada do município em 91 para assassinarem o João Brito, aproveitaram também a minha ausência para retirarem o nome do mesmo do auditório daquela Casa de Leis municipal.
Depois da absolvição da D. Marlene Abadia da Silva, a Justiça determinou que a Câmara Municipal de Parauapebas, a indenizasse por danos morais e materiais com a importância de 80 mil reais, que segundo seu advogado Dr. Mário, isso só foi possível graças a minha pessoa que conseguiu provar em juízo a inocência da mesma no assassinato do seu esposo.
Essa é a verdadeira história que revela o perfil e a índole criminosa dessa quadrilha de políticos que pretendem reassumir os destinos deste município, que uma boa parte das pessoas que se encontram aqui hoje, não conhece, porque chegaram bem depois desses fatos narrados.
Por isso que este blogueiro fez a diferença em Parauapebas durante os 24 anos de convivência na cidade, porque quando fazia denúncias contra alguém, apresentava documentos que comprovavam a veracidade das mesmas.
Fizemos escola neste município. Mas, graças a nossa persistência que hoje o exército de denunciantes cada dia a mais vem aumentando. Valeu a pena o risco de morte que sempre corremos por denunciar esse grupo de mascarado que diz que ama Parauapebas, mas com suas atitudes não correspondem o que dizem.

Hoje não cobro mais providências da justiça da terra para esse terrível episódio porque resolvi entregar a minha vida integralmente a Deus e me dedicar a pregação da Sua Santa Palavra para que pessoas como o Faisal Salmen, sua Ex-esposa Isabel Mesquita e seus correligionários se CONVERTAM ao Senhor Jesus Cristo e "Nasçam de novo", e passem por uma genuína transformação pelo poder do sangue de Jesus Cristo tornando-se uma NOVA CRIATURA arrependendo-se de seus pecados para poder herdar o reino do céu. Coloquei essa causa agora nas mãos de Deus que tudo pode. Se as autoridades aqui da terra não fazem justiça, Deus com certeza fará.
Obs: Essa matéria é a mesma publicada em setembro de 2009.

Valter Desidério Barreto - Servo do Senhor Altíssimo - O Deus Todo Poderoso

sexta-feira, setembro 17, 2010

Erenice Guerra não respeitou preceito da impessoalidade do cargo público

Alexandre Garcia critica presença parentes da ex-ministra em cargos de confiança e espera que denúncias sejam apuradas com transparência.
O que se espera agora sobre as investigações de tráfico de influência na Casa Civil, para usar um termo da moda, é que haja uma transparência republicana. Que elas chegem a um fim no Ministério Público e na Polícia Federal.

Erenice ocupava o cargo mais importante do governo. Nada chega ao presidente sem passar pelo gabinete civil, que também participa da coordenação com ministérios e estatais. Isso dá uma medida do poder que envolve o cargo e do equilíbrio e retidão acima de qualquer suspeita que precisam pautar as atitudes de quem está na antessala do presidente.

No entanto, mesmo sem considerar se os indícios, as suspeitas e as denúncias são ou não são verdadeiras, a sucessão de episódios já revela um axioma, uma verdade que não requer comprovação: que a ministra não foi rigorosa na obediência ao preceito constitucional que estabelece que a administração pública obedecerá ao princípio da impessoalidade.

Com filhos, irmãos e parentes a fins em cargos públicos de confiança, sem concurso e inclusive acumulando cargos, não há dúvidas de que houve uma personalização em torno da matriarca. E para que não parecesse que a ministra havia sido posta para fora, o governo e Erenice combinaram que ela sai para comprovar inocência.

No entanto, a própria carta de demissão ao presidente é reveladora. Está lá escrito: "Solicito, em caráter irrevogável, que aceite meu pedido de demissão". Ora, ninguém impõe um caráter irrevogável ao presidente, que é dono do cargo, a menos que saiba que a saída é inevitável.

terça-feira, setembro 14, 2010

Vândalos que destroem patrimônio público não têm cidadania

Alexandre Garcia comenta a onda de depredações nas grandes cidades e diz que ações são coisa de desajustados.

Sobre a reportagem que exibimos ontem (13) sobre o vandalismo nas grandes cidades eu vi uma senhora falando: "É a cultura de um povo". Aí eu lembro de quando era menino e saía com meu avô e ele chamava a atenção de pessoas que arrancavam folhas das árvores. Ele dizia: "Olha, se todo mundo fizer isso as árvores não darão mais sombra para nós". As árvores não são da prefeitura, são de todos.

Eu acho que estes bárbaros que destroem tudo são uma mistura de ignorância, mas também de ausência dessa formação em casa, de exemplo para a cidadania. São desajustados sociais, estão despreparados para viver em sociedade. Não parecem gafanhotos atacando um caminhão?

Eles têm a capacidade de agredir o patrimônio coletivo. E em geral eles só se manifestam quando formam bandos. Tal como os bárbaros que saqueavam a civilização europeia há mais de 1.500 anos. Os vândalos saquearam Roma e destruíram obras de arte para sempre. Eles saquearam a Humanidade. Os nossos bárbaros brasileiros devem hororizar os civilizados com esta selvageria que acabamos de mostrar.

segunda-feira, setembro 13, 2010

PRIMEIRO ATELIER DE CONFECÇÃO DE ARTEFATOS DE GRÃOS DE AÇAÍ NO BRASIL.



Já está funcionando no estado do Pará o Primeiro atelier de confecção de artefatos de grãos de açaí no Brasil. Sobe a direção do Artesão Valter Barreto e sua esposa a Pedagoga e Artista Plástica Gina Mikawa.
O atelier está a disposição de quem desejar encomendar diversos tipos de peças confeccionadas à partir do grão do açaí como: tapetes, jarros, cadeiras, mesas, armários e tantos outros, inclusive revestimentos para paredes residenciais e forros.
Os proprietários do atelier também realiza oficinas de confecção de artefatos de grãos de açaí para comunidades de qualquer região do Brasil através de prefeituras e ongs, principalmente no Norte do Brasil aonde o consumo do açaí faz parte do cardápio dos moradores desta região.
Os interessados em saber mais detalhes dessa nova atividade que surge no Brasil, é só entrar em contato pelo e-mail valterbt@gmail.com


Alexandre Garcia: mentira no currículo tem perna curta

Comentarista diz que aumentar as próprias qualidades só serve para fazer o candidato passar por um vexame na vida profissional.
imprimir Já pensou em alguém que começa no emprego mentindo? Como disse a consultora de RH Jacqueline Resch, ouvida pelo Bom Dia Brasil, mentira tem perna curta e sempre acaba em vexame. O único que se deu bem mentindo foi Castelo, o homem que sabia javanês (do livro homônimo de Lima Barreto).

Quem mente dizendo que sabe uma língua, se for selecionado vai ter pela frente algum entrevistador fluente na língua. Aí vem o vexame. Mentir experiência... vai ter pela frente o teste da experiência.

Mas não é só a mentira que causa perigo no curriculo. Um lista de títulos, verdadeira, também pode ser perigosa se estes títulos foram conseguidos de uma forma medíocre. Mestrados ou doutorados geram a expectativa de que o candidato aja com mestre ou doutor. E vai ser exigido na especialidade correspondente.

Mas nada supera o conhecimento que se traduz no saber fazer.


COMENTÁRIO:

Ostentar título de "DOUTOR" sem passar pela graduação correspondente também é, além de mentira, é CRIME DE FALSIDADE IDEOLÓGICA previsto no nosso Código Penal. Nenhum curso de graduação universitária, dá o direito do portador do diploma de qualquer curso e em qualquer área, ostentar o título de "Doutor". A nossa Justiça continua cega para esse crime "legalizado" através dos anúncios em jornais, revistas, placas, cartões de visitas, anunciando serviços de médicos, advogados, engenheiros, psicólogo, psiquiatra, e tantos outros. Aonde está a polícia para prender esses "Doutores" de mentira?

Valter Desiderio Barreto.

Vila do Aço vai a Belo Horizonte para a INOVATEC 2010

(Assessoria de Imprensa Instituto Aço Brasil 08/09/2010.
Apresentada pela primeira vez durante a ExpoAço 2010, evento promovido em abril pelo Instituto Aço Brasil (IABr), a Vila do Aço é uma das atrações da INOVATEC – 6ª Feira de Inovação Tecnológica, a ser realizada em Belo Horizonte de 05 a 08 de outubro. O espaço de 1.600 m² foi criado pelo IABr para apresentar em tamanho real a aplicação do aço em opções arquitetônicas, como casas, prédios, equipamentos urbanos, sistema drywall, engradamento metálico, esquadrias, coberturas e passarelas.

Em junho, a Vila do Aço marcou presença na 4ª Conferência Nacional das Cidades, em Brasília, tendo recebido as visitas de autoridades como o Ministro das Cidades, Marcio Fortes, e a presidenta da CAIXA, Maria Fernanda Ramos Coelho.

- A construção em aço é uma opção para habitação popular. Aqui estão alternativas de sistemas construtivos rápidos e reconhecidos no exterior. A Secretaria de Habitação e a Caixa estão trabalhando nisso – disse o Ministro das Cidades, Marcio Fortes, durante a sua visita à Vila em Brasília.

A minicidade permite que o visitante visualize de quais maneiras o aço pode ser aproveitado em projetos urbanos. Durante a ExpoAço, Lula comentou em seu discurso que a utilização do aço na construção é uma boa alternativa para a população de baixa renda em conjuntos habitacionais, como aqueles construídos no âmbito do Programa Minha Casa, Minha Vida. Na ocasião, Lula disse também que seria preciso expor casas de aço no Brasil e mostrar alternativas. “Espero ver a Vila do Aço por todo País”, completou Lula durante o evento.

O aço pode ajudar a transformar as cidades, ampliando as possibilidades de acesso da população à moradia, ao saneamento e ao transporte. Os sistemas construtivos em aço são opções não só para indústrias, galpões e edifícios comerciais, mas também para projetos residenciais. A evolução tecnológica do material revela sua versatilidade em atender também às mais diversas necessidades desses projetos, com velocidade, flexibilidade e durabilidade.

Entre os destaques expostos na Vila do Aço estão edifícios residenciais com perfis estruturais em aço e alternativas para construção de casas que muito contribuem para redução do prazo total da execução da obra. Uma passarela com estrutura de aço, que proporciona travessias com vãos livres, demonstra como podem ser eliminados pilares no canteiro central das vias. São apresentadas ainda fachadas em aço inox, modulares e fáceis de instalar, além do sistema drywall para construção de paredes divisórias e forros.

A sustentabilidade também é umas das questões tratadas na Vila do Aço. Além de possibilitar uma construção limpa e do aço ser um material 100% reciclável, as construções com utilização do aço apresentam ótimo custo-benefício, permitindo rapidez em todo o processo de montagem.

INOVATEC – 6ª Feira de Inovação Tecnológica
De 05 a 08 de outubro
Expominas - Belo Horizonte – Minas Gerais
Mais informações:
Superintendência de Comunicação - Instituto Aço Brasil
(21) 3445-6300
www.acobrasil.org.br

Trevo Efervescência Comunicativa - Assessoria de Imprensa IABr
Sylvia Lima - (21) 2544-6203 - sylvia.lima@trevocomunicativa.com.br

quinta-feira, setembro 09, 2010

HERROS DA PULIÇA!

Depois das "Pérolas do ENEM agora vamos ri das "Pérolas da Puliça". Tal anedotário é obra de um Tenente Coronel da PM, que recentemente
expôs o conteúdo de seu livro no Programa do Jô Soares, informando que
todas as frases foram originalmente coletadas dos livros e relatórios de
registro policial.

Alguns erros notórios escritos por policiais em ocorrências:

'Senhor delegado, deu entrada no Pronto-Socorro Municipal o cidadão,
vítima de 'gargalhada'. 'Gargalhada' no peito, no rosto e nas costas.
Segue anexo um 'gargalho' de garrafa.'
(Por acaso não seria : GARGALO !??)

'O veículo, durante o acidente, teve amassamento no pára- choques e nos
pára-lamas dianteiros, sendo quem não pudemos colher melhores dados, devido à vítima haver fugido a 'galope.'
(Era um atropelamento de cavalo ?).

'O condutor foi preso em flagrante por estar dirigindo em velocidade
'incombatível' com o local.'
(O que pensar...?)

'Ocorreu um 'abarroamento de pessoas'. 'Os conduzidos, além da algazarra,
ainda xingavam a todos com palavra de baixo 'escalão'.
(Bom...no nosso país, tudo é uma questão de escalão!)

'Demos cobertura à ambulância na condução de um 'débito mental' até o
PSM'. (Vc já pode imaginar quem está com débito mental ?!)

'O condutor do veículo colocava em risco a segurança das pessoas, pois
estava dando 'cavalo de Paulo' na rua'
(Que Paulo... quem é o Paulo...chama o Paulo , vai !?)


'Chegando ao local, encontramos a vítima caída ao solo, aparentando ter
cometido um 'homicídio contra si mesmo'
(Esse aí acredita em reencarnação, hein?)'

'No histórico da ocorrência, constava como objeto apreendido: duas latas
de cera 'Odd' e uma lata de cera 'PPO'.
(Uma das latas estava de cabeça para baixo, fala sério ???).

'Formava uma 'língua de fogo que lavava a rua'
( O que comentar???)

'O cidadão machucou o 'membro do rosto'.'
( Alguém conhece esse membro ??)

'O conduzido, que foi preso em flagrante, disse que era inocente na
acusação e que não estava passando de 'bode respiratório'.'
( Deve ser uma nova técnica de recuperação pulmonar !)

'O sujeito estava vestido com uma calça Jeans e uma camisa 'destampada' '
(Por que ele não 'tampou'???)

'...os indivíduos tentaram resgatar o autor do nosso domínio através do
uso de força 'anônima'.'

( Esse aí tava 'emaconhado'! ! !)

'O cadáver apresentava sinais de estar morto.'
(Ufa , ainda bem !!)

'Foi apreendido um quilo de lingüiça 'perfumada' '
(Esse aí se apaixonou pela linguiça !!)

'Atendemos à 'solicitação do solicitante' , que nos narrou que o autor
praticava 'atentado violento' ao pudor, pois exibia para os transeuntes os
'órgãos sanitários'.'
(O que comentar...fico sem palavras !!)

'Após discutir com a vítima, o autor desferiu um forte soco no rosto da
mesma, que de tão violento, 'soltou a tampa de seu nariz' '
(Deve ser o mesmo cidadão da camisa 'destampada'... ele tem algum problema com esse

Homem mais baixo do mundo é recebido por presidente colombiano





Juan Manuel Santos colocou Edward Nino Hernández, de 24 anos, no colo.
O encontro aconteceu no palácio presidencial, em Bogotá.

O colombiano Edward Nino Hernández, de 24 anos, que mede 70 centímetros e foi reconhecido como o homem mais baixo do mundo, foi recebido nesta quinta-feira (9) pelo presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, no palácio presidencial, em Bogotá.

O Guinnes, livro dos recordes, reconheceu Hernández como o homem mais baixo do mundo. Ele vai aparecer na edição 2011 do livro.

O chinês He Pingping, que era considerado o homem mais baixo do mundo, morreu em março deste ano aos 21 anos de idade.

Renascer é condenada a indenizar fiéis por desabamento em SP

Duas mulheres vão receber R$ 10 mil por danos morais; acidente foi em 2009.
Igreja recorreu em primeira instância por considerar que culpa não foi atestada.

Em decisão unânime da Justiça de São Paulo, a Igreja Renascer em Cristo foi condenada nesta quinta-feira (9) a pagar indenização a duas mulheres que estavam no templo do Cambuci, em São Paulo, quando o teto desabou, em janeiro de 2009.

Cada uma receberá R$ 10 mil por danos morais, além de terem os gastos médicos e despesas com futuros tratamentos para a recuperação de sua saúde pagos pela Renascer.

A igreja havia recorrido da decisão de primeira instância, alegando que sua culpa no incidente não fora comprovada, uma vez que havia contratado profissionais para uma minuciosa avaliação da estrutura de sustentação do telhado. Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa da Renascer diz que os advogados da igreja ainda não foram informados oficialmente da decisão e, por isso, não irão se manifestar.

De acordo com o desembargador do caso, Teixeira Leite, o Código Civil estabelece que o dono de um edifício ou construção responde pelos danos causados em caso de desabamento ou pela falta de reparos. "É induvidosa a atitude omissa da Igreja Renascer em não interditar o local, embora apresentasse sinais de desabamento", diz Leito, na decisão. "Isso caracteriza seu dever de indenizar, sem a necessidade de perícia de engenharia", acrescenta o desembargador.