Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

domingo, novembro 21, 2010

Gabriela deixou um novo comentário sobre a sua postagem "VÍCIO EM COMPRAS ESTÁ ENTRE AS DEPENDÊNCIAS CARACT...":

bom ACHEI MUITO IMPORTANTE ESSE ASSUNTO POIS ESTOU VIVENDO NA MINHA VIDA ESTA REALIDADE.23 ANOS VICIADA EM COMPRAS SOLTEIRA E TRABALHO MUITO TUDO QUE SE RELATOU AQUI,BOM VOU LEVAR ADIANTE ESSAS DICAS E VOU CONSEGUIR VENCER ESTE VICIO.

sábado, novembro 20, 2010

Britânico com rosto desfigurado quer chamar atenção para síndrome rara

O britânico Jono Lancaster

Jono Lancaster sofre da síndrome de Treacher Collins, que afeta um em cada dez mil bebês nascidos na Grã-Bretanha.

imprimir Um jovem britânico que sofre de uma síndrome rara que provoca o desfiguramento do rosto está chamando atenção para o drama dos portadores da condição

Jono Lancaster, de 26 anos, nasceu com a síndrome de Treacher Collins, que afeta um em cada dez mil bebês na Grã-Bretanha, e contou sua história de sofrimento e superação em um documentário da BBC, "Love Me, Love My Face" ("Ame-me, ame minha face").

Jono, que foi dado para adoção pelos pais com 36 horas de vida, sofre de um problema genético que afeta a forma com que os ossos da face se desenvolvem enquanto o bebê ainda está no útero.
A síndrome de Treacher Collins faz com que seus portadores não tenham ossos malares, consequentemente os olhos ficam caídos. Jono também tem problemas de audição e usa um aparelho implantado em seu osso.

O jovem britânico teve de passar por várias cirurgias, consultas em hospitais e, apesar de hoje estar feliz com seu emprego e sua namorada, Jono sofreu de depressão durante a adolescência.

"Eu era desesperado para ter amigos, eu fazia qualquer coisa. Eu não tinha confiança, comprava muitos doces e entregava para outras crianças, para que elas gostassem de mim. Acabei fazendo muitas coisas estúpidas, para que as pessoas falassem a meu respeito por uma razão que não fosse a minha aparência", disse à BBC.

Mãe adotiva
Jono foi adotado e seus problemas de comportamento na escola pioravam. No entanto, ele afirma que apenas ficava cada vez mais solitário.

'Eu costumava esconder minha infelicidade de minha mãe. Ela já tinha feito tanto por mim', disse.
O jovem se isolava em casa e chegava a cortar o próprio cabelo para não ter que se olhar no espelho em um local público. No entanto, sua vida começou a mudar quando recebeu uma oferta de emprego em um bar.

"Eu suava muito antes de cada turno de trabalho, ficava muito nervoso, com medo da reação das pessoas."

"Não foi fácil, mas, ao mesmo tempo, encontrei tantas pessoas legais que ficaram verdadeiramente interessadas em mim e no meu rosto."

O novo emprego deu a Jono confiança para começar a ir em encontros com garotas e arrumar um novo trabalho, em uma academia de ginástica.

E, no novo emprego, o jovem encontrou Laura Richardson, 20, sua namorada há quatro anos.
Jono e Laura
"Ela disse que, quando me viu pela primeira vez, notou meu rosto, mas agora ela não nota mais. Foi a primeira vez que consegui ser eu mesmo com uma garota."

Jono encontrou sua namorada na academia de ginástica onde trabalha

"E olhe para nós, quatro anos depois, compramos uma casa juntos (...). Estamos completamente apaixonados."

Pais biológicos
Em 2009, Jono tentou entrar em contato com seus pais biológicos pela segunda vez.

"Era algo que eu sempre quis fazer. Quando era adolescente, eu estava com raiva e queria encontrá-los pela razão errada, para perguntar porque eles me abandonaram. Mas, ao ficar mais maduro, percebi que eles obviamente acharam que não dariam conta."

No entanto, os pais biológicos de Jono se recusaram novamente a encontrá-lo.

"Foi horrível, horrível. Chorei muito. Mas me acertei com isso. Deve ter sido uma das decisões mais difíceis da vida deles."

O jovem descobriu que a família teve outros dois filhos depois dele.

"Fico feliz que eles tenham uma família. Estou feliz e espero que eles estejam também", afirmou.

Ajuda e filhos
Jono, que hoje trabalha com adultos que sofrem de autismo, afirma que quer que as pessoas tenham mais informações a respeito da síndrome de Treacher Collins e como lidar com o problema.

'O que realmente me deixa frustrado e me preocupa é quando uma criança em um supermercado me encara e a mãe dela fala para não olhar.'

'Eu queria que eles viessem falar comigo então eu poderia falar sobre o problema, para que tudo parecesse mais normal.'

O jovem também quer ajudar outras famílias em situação parecida com a dele. Mas, Jono ainda tem outra preocupação, a possibilidade de que seu filho herde o problema.

Apesar de a síndrome Treacher Collins ser um problema genético raro que pode afetar qualquer pessoa, as chances de Jono passar o problema para seus filhos são de 50%. E o jovem se pergunta se poderá expor seu filho à possibilidade de "operações, consultas no hospital e bullying".
"Eu fico imaginando, me deixa louco. Ainda somos jovens, ainda há muito tempo, mas é algo que eu e Laura teremos que pensar em algum momento."

Médicos perguntaram a Jono se ele gostaria de fazer alguma cirurgia para corrigir seu problema, mas ele se recusou.

'Médicos sempre me perguntaram se eu queria a cirurgia... a construção dos ossos malares, ter meus dentes endireitados ou minha mandíbula quebrada e realinhada, mas apesar da minha depressão, eu penso "Deus me fez assim'', afirmou.

"Fico feliz de não ter escolhido nada disso. Tenho orgulho de quem sou. E (a síndrome de) Treacher Collins me transformou no que sou."

COMENTÁRIO:

Essa história de vida do JONO, é uma grande lição de vida para todos nós, que muitas vezes não nos conformamos com o que somos e das coisas que não conseguimos conquistar na vida. Ao invés de ficarmos reclamando de tudo, agradeçamos a Deus pelo que temos e pelo que somos.

"EM TUDO, DAI GRAÇAS, PORQUE ESTA É A VONTADE DE DEUS EM CRISTO JESUS PARA CONVOSCO". I TESSALONICENSES 5: 18.

Valter Desiderio Barreto. Escritor e jornalista.

Promotoria apresenta novo laudo para provar que Tiririca é analfabeto


Deputado federal eleito com 1,3 milhão de votos é réu em ação penal.
Promotor quer mostrar que houve fraude em declaração de escolaridade.

imprimir O Ministério Público de São Paulo vai incluir no processo contra o deputado federal eleito Francisco Everardo Oliveira, o Tiririca, um laudo que mostra que ele é analfabeto. Oito dias depois da audiência de Tiririca no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o processo que investiga o crime de falsidade ideológica voltou ao Ministério Público.

Justiça Eleitoral indefere liminar e Tiririca não terá que fazer novo testePromotor diz que Tiririca acertou menos de 30% do ditado Tiririca 'leu e escreveu' em audiência, diz presidente do TRE-SP.


Por causa do atraso, só agora começam a contar os prazos da fase final do processo. São cinco dias para a Promotoria incluir novos argumentos na acusação; outros cinco para os advogados de defesa. E mais dez dias para o juiz eleitoral dar uma sentença.

O documento foi feito por uma fonoaudióloga do Instituto de Medicina e de Criminologia de São Paulo que participou da audiência a pedido do Ministério Público. O laudo diz que, no ditado, das dez palavras principais, Tiririca só escreveu corretamente duas. E que levou oito minutos para redigir as 17 palavras e o numeral 1932 lidos pelo juiz.

Na leitura de um trecho de jornal, Tiririca trocou letras e palavras. O laudo ainda aponta que na hora de explicar o que entendeu da notícia, ele não conseguiu. E classifica o réu como analfabeto funcional.

"A Constituição Federal veda a elegibilidade do analfabeto. E ela não faz distinção que espécie de analfabeto. Então, para o Ministério Público Eleitoral, o analfabeto funcional é inelegível, todavia caberá à Justiça a decisão final sobre essa material", disse o promotor.

A tendência é que a Justiça dê mais cinco dias de prazo para a defesa se manifestar. Apesar do atraso, o juiz pretende dar a sentença até o dia 17 de dezembro, quando Tiririca será diplomado e passará a ter foro privilegiado.


COMENTÁRIO:

É lamentável que brasileiros desinformados ou coniventes com atitudes ilícitas de alguém que para atingirem determinados objetivos na vida, não se importam com os meios para conquistarem seus fins, defendam atitudes como a do palhaço TIRIRICA, que praticou o CRIME DE FALSIDADE IDEOLÓGICA, para comprovar através de atestado falso que não é analfabeto, como vemos em página do orkut, usuário desse serviço, criando comunidade "MELHOR PALHAÇO NA POLÍTICA DO QUE POLÍTICO LADRÃO". A atitude do palhaço TIRIRICA, não é diferente da dos políticos LADRÕES. Utilizar-se de qualquer meio ilícito para benefício próprio ou de outrem, é CRIME. Se o TIRIRICA para se eleger REPRESENTANTE DO POVO, precisou utilizar-se de meios ilícito, quem nos garantirá que o mesmo não será mais um "REPRESENTANTE" do POVO BRASILEIRO corrupto e ladrão?

Valter Desiderio Barreto - Escritor e Teólogo.

quarta-feira, novembro 17, 2010

Rio de Janeiro recebe a Vila do Aço

Projeto do IABr será apresentado durante a Rio Infraestrutura 2010

A minicidade criada pelo Instituto Aço Brasil (IABr) é um dos destaques da Rio InfraEstrutura 2010 - Feira de Produtos e Serviços para Obras de Infraestrutura, que começa hoje (17) no Riocentro.


Ocupando uma área de 1650m², a Vila do Aço foi um espaço pensado especialmente para apresentar réplicas em tamanho real de casas, prédios e equipamentos urbanos com estruturas em aço. O evento acontece simultaneamente à Feira Construir 2010.

Fachadas em aço inox, edifícios residenciais com perfis estruturais em aço, sistema drywall para construção de paredes divisórias e forros, telhas, uma passarela e casas em steel framing são alguns dos destaques da Vila.

O aço pode ajudar a transformar as cidades, ampliando as possibilidades de acesso da população à moradia, ao saneamento e ao transporte.
Os sistemas construtivos em aço são opções não só para indústrias, galpões e edifícios comerciais, mas também para projetos residenciais.

A evolução tecnológica do material revela sua versatilidade em atender também às mais diversas necessidades desses projetos, com velocidade, flexibilidade e durabilidade.

A Vila do Aço foi apresentada pela primeira vez durante a ExpoAço 2010, evento promovido em abril pelo Instituto Aço Brasil.

Na ocasião, o presidente Lula comentou em seu discurso que a utilização do aço na construção é uma boa alternativa para a população de baixa renda em conjuntos habitacionais, como aqueles construídos no Programa Minha Casa, Minha Vida, especialmente porque lhes permite ter opção de modelos.

Em junho, a Vila do Aço foi exposta na 4ª Conferência Nacional das Cidades, em Brasília, tendo recebido as visitas de autoridades como o Ministro das Cidades, Marcio Fortes, e a presidente da CAIXA, Maria Fernanda Ramos Coelho.

No início de outubro, a Vila do Aço esteve em evidência na INOVATEC – 6ª Feira de Inovação Tecnológica, em Belo Horizonte, e acaba de ser apresentada em Porto Alegre, na ExpoAcabamento 2010. Essas quatro edições contaram com a presença de cerca de 20 mil visitantes.

Serviço:

Rio Infraestrutura 2010
De 17 a 20 de novembro de 2010
Horário: das 11h às 20h Local: Pavilhão 3 / Riocentro - Rio de Janeiro - RJ
Superintendência de Comunicação
Instituto Aço Brasil
21 3445-6300
www.acobrasil.org.br


segunda-feira, novembro 15, 2010

VAMOS APRENDER ESSA REGRA DE UMA VEZ POR TODAS.

EXISTEM PESSOAS ASSIM, COMO O AUTOR DESSE PLEITO, EM NOSSAS INSTITUIÇOES.

FALA SERIO!!!!!! ......


"Você" ou "Doutor"? Ou seria Vossa Excelência?



UMA VERDADEIRA AULA DE DIREITO E DE PORTUGUÊS!

LEMBRAM DO JUIZ QUE ENTROU NA JUSTIÇA CONTRA O CONDOMÍNIO EM QUE MORA, POR CAUSA DO TRATAMENTO DE "'VOCÊ" DADO PELO PORTEIRO? POIS É, SAIU A SENTENÇA.

LEIAM ABAIXO. OBSERVEM A BELA REDAÇÃO, SUCINTA, BEM ARGUMENTADA, ATÉ SOLIDÁRIA COM O JUIZ QUE SE QUEIXA, MAS...

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

COMARCA DE NITERÓI

NONA VARA CÍVEL

Processo n° 2005.002.003424- 4

S E N T E N Ç A

Cuidam-se os autos de ação de obrigação de fazer manejada por ANTONIO MARREIROS DA SILVA MELO NETO contra o CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO LUÍZA VILLAGE e JEANETTE GRANATO, alegando o autor fatos precedentes ocorridos no interior do prédio que o levaram a pedir que fosse tratado formalmente de "senhor". Disse o requerente que sofreu danos, e que esperava a procedência do pedido inicial para dar a ele autor e suas visitas o tratamento de ' Doutor, senhor" "Doutora, senhora", sob pena de multa diária a ser fixada judicialmente, bem como requereu a condenação dos réus em dano moral não inferior a 100 salários mínimos. (...)

DECIDO: "O problema do fundamento de um direito apresenta-se diferentemente conforme se trate de buscar o fundamento de um direito que se tem ou de um direito que se gostaria de ter." (Noberto Bobbio, in "A Era dos D ireitos", Editora Campus, pg. 15).


Trata-se o autor de Juiz digno, merecendo todo o respeito deste sentenciante e de todas as demais pessoas da sociedade, não se justificando tamanha publicidade que tomou este processo. Agiu o requerente como jurisdicionado, na crença de seu direito. Plausível sua conduta, na medida em que atribuiu ao Estado a solução do conflito.

Não deseja o ilustre Juiz tola bajulice, nem esta ação pode ter conotação de incompreensível futilidade. O cerne do inconformismo é de cunho eminentemente subjetivo, e ninguém, a não ser o próprio autor, sente tal dor, e este sentenciante bem compreende o que tanto incomoda o probo Requerente.

Está claro que não quer, nem nunca quis o autor, impor medo de autoridade, ou que lhe dediquem cumprimento laudatório, posto que é homem de notada grandeza e virtude. Entretanto, entendo que não lhe assiste razão jurídica na pretensão deduzida.

"Doutor" não é forma de tratamento, e sim título acadêmico utilizado apenas quando se apresenta tese a uma banca e esta a julga merecedora de um doutoramento. Emprega-se apenas às pessoas que tenham tal grau, e mesmo assim no meio universitário. Constitui-se mera tradição referir-se a outras pessoas de 'doutor', sem o ser, e fora do meio acadêmico.

Daí a expressão doutor honoris causa - para a honra -, que se trata de título conferido por uma universidade à guisa de homenagem a determinada pessoa, sem submetê-la a exame.

Por outro lado, vale lembrar que "professor" e "mestre" são títulos exclusivos dos que se dedicam ao magistério, após concluído o curso de mestrado. Embora a expressão "senhor" confira a desejada formalidade às comunicações - não é pronome -, e possa até o autor aspirar distanciamento em relação a qualquer pessoa, afastando intimidades, não existe regra legal que imponha obrigação ao empregado do condomínio a ele assim se referir.

O empregado que se refere ao autor por "você", pode estar sendo cortês, posto que "você" não é pronome depreciativo. Isso é formalidade, decorrente do estilo de fala, sem quebra de hierarquia ou incidência de insubordinação. Fala-se segundo sua classe social. O brasileiro tem tendência na variedade coloquial relaxada, em especial a classe "semi-culta", que sequer se importa com isso.

Na verdade "você" é variante - contração da alocução - do tratamento respeitoso "Vossa Mercê". A professora de linguística Eliana Pitombo Teixeira ensina que os textos literários que apresentam altas freqüências do pronome "você", devem ser classificados como formais. Em qualquer lugar desse país, é usual as pessoas serem chamadas de "seu" ou "dona", e isso é tratamento formal.

Em recente pesquisa universitária, constatou-se que o simples uso do nome da pessoa substitui o senhor/a senhora e você quando usados como prenome, isso porque soa como pejorativo tratamento diferente.

Na edição promovida por Jorge Amado "Crônica de Viver Baiano Seiscentista", nos poemas de Gregório de Matos, destacou o escritor que Miércio Táti anotara que "você" é tratamento cerimonioso. (Rio de Janeiro/São Paulo, Record, 1999).

Urge ressaltar que tratamento cerimonioso é reservado a círculos fechados da diplomacia, clero, governo, judiciário e meio acadêmico, como já se disse. A própria Presidência da República fez publicar Manual de Redação instituindo o protocolo interno entre os demais Poderes. Mas na relação social não há ritual litúrgico a ser obedecido. Por isso que se diz que a alternância de "você" e "senhor" traduz-se numa questão sociolingüística, de difícil equação num país como o Brasil de várias influências regionais.

Ao Judiciário não compete decidir sobre a relação de educação, etiqueta, cortesia ou coisas do gênero, a ser estabelecida entre o empregado do condomínio e o condômino, posto que isso é tema interna corpore daquela própria comunidade.

Isto posto, por estar convicto de que inexiste direito a ser agasalhado, mesmo que lamentando o incômodo pessoal experimentado pelo ilustre autor, julgo improcedente o pedido inicial, condenando o postulante no pagamento de custas e honorários de 10% sobre o valor da causa. P.R.I. Niterói, 2 de maio de 2005.

ALEXANDRE EDUARDO SCISINIO

Juiz de Direito


NESTE PAÍS AINDA EXISTEM JURISTAS HONRADOS E CULTOS!

Nem tudo esta perdido... Aleluia!!!!!

Obs. COLABORAÇÃO DA ACADÊMICA DE DIREITO MICHELINE DINIZ BARRETO

quinta-feira, novembro 11, 2010

CLÁUDIA CRISTINA CONTESTA FATOS RELATADOS SOBRE A HISTÓRIA DA IGREJA BATISTA CENTRAL DE BARRETOS.


Se informe melhor sobre a historia da Igreja Batista Central de Barretos, minha familia pertencia a igreja neste periodo e os fatos que vc fala nem todos são verdadeiros. Se informe melhor para poder falar do Pastor Aloisio.

Claudia Cristina

RESPOSTA:

Só publiquei na íntegra o que recebi dos atuais dirigentes da Igreja Batista Central de Barretos. Meu contato com o atual Pastor, começou nos meados de agosto de 2009. Caso haja interesse por parte do Pastor Aloísio fazer algumas correções no sentido de resgatar alguns fatos que não estão registrados na referida matéria por omissão dos interessados em encobrí-los, é só nos enviar que teremos a honra de publicá-lo. Não temos nenhum interesse em compactuar com mentiras, calúnias ou injúrias.

Valter Desiderio Barreto.

Obs. A matéria que fala sobre a História da Igreja Batista em Barretos, está postada neste blog, na data de 14 de novembro de 2009.



terça-feira, novembro 02, 2010

A ELEIÇÃO PARA PRESIDENTE ESTE ANO DEIXOU UM GRANDE RECADO PARA OS LÍDERES RELIGIOSOS

As eleições este ano provou mais uma vez, que quem decide as eleições em um país, não são influências de lideres religiosos de qualquer segmento religioso, e, sim, o POVO.

Não adiantou a manifestação pública dos ditos lideres relegiosos "evangélicos" como o Silas Malafáia, o tal do dono da "Igreja Mundial do Poder de Deus", "Apóstolo Waldomiro" e tantos outros a favor do candidato Serra através da grande mídia, diga-se de passagem que deve ter custado aos cofres do PSDB uma soma considerável de dinheiro desembolsado para receber o apoio e manifestação pública desses tais charlatães e mercadores da Palavra de Deus, porque os mesmo só se aliam a qualquer candidato político em época de eleições em troca de dinheiro vivo, se utilizando dos seus fiéis para barganha de apoio político aos candidatos que lhes oferecem mais vantangens.

Parabéns ao povo brasileiro que não se deixou levar por nenhuma manifestação desses mercenários para decidirem em quem eleger para Presidente da República!

Valter Desiderio Barreto.