Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

domingo, fevereiro 27, 2011

IRMÃOS COMEMORAM 116 ANOS COM SUAS ESPOSAS

Os irmãos Valter e Valmir

Valter e sua esposa Gina Mikawa

Valmir e sua esposa Maria Izaura

Os irmãos Valter e Valmir comemoraram no último dia 26 de fevereiro, 116 anos de idade com muita saúde, muita paz e muita felicidade juntamente com suas esposas, porém, distante um do outro.

Apesar dos dois serem gêmeos univitelinos, moram em estados diferentes, Valmir reside no estado do Ceará na cidade de Cedro, e o Valter reside no estado do Pará, na capital paraense. Esses irmãos têm uma história muito interessante e incomum dentre tantas histórias de famílias contadas até mesmo em novelas de televisão.

Ambos nasceram na capital baiana e ainda criança de berço, por iniciativa do pai de ambos, o Valmir fora dado ao casal de amigos Jonas e Raulinda, por esta ser estéril e ter o desejo de se tornar mãe a qualquer custo.

A mãe dos gêmeos, senhora Estelita, sofreu muito a separação de ambos, tanto que a primeira doação não vingou, porque D. Estelita não conformada com a atitude do seu marido Sr. Higino, tomou de volta seu filho Valmir, mas o mesmo ficou por pouco tempo nos braços e aconchego de sua genitora, logo foi entregue pelo pai novamente ao casal, que desta vez, transferiu-se para outra cidade do interior da Bahia de nome Vitória da Conquista, o Valmir então tinha seis meses de nascido. Só depois de 17 anos de idade, que ambos, Valter e Valmir se conheceram.

O importante desta história, é que ambos depois de enfrentarem muitos desafios e muitas intempéries da vida e vencerem, completaram 58 anos de idade cada um, no último sábado deste mês. Dentre as coincidências que acompanham esses irmãos, ambos são casados pela segunda vez, tiveram três filhos com suas primeiras esposas, o Valmir teve duas filhas e um filho e o Valter teve três filhas.

Ambos comemoram suas datas natalícias compartilhando com suas esposas, que segundo eles são presentes de Deus para suas vidas, a felicidade de Deus lhes ter dado mais um ano de vida, desfrutando do aconchego, do carinho e do amor incondicional que suas mulheres Maria Izaura (esposa do Valmir) e Gina Mikawa (esposa do Valter) dedicam a eles.

Ao Senhor Jesus Cristo seja dado, toda a honra, e toda a glória pelas vitórias alcançadas contra o pecado e contra o Satanás ao longo de suas vidas, comemoram os irmãos gêmeos Valter e Valmir. O sonho desses irmãos agora é formar uma dupla de cantores para levar a mensagem da Palavra de Deus cantada, exaltando o Poder de Deus aos quatro cantos do mundo, anunciando o quanto Deus tem feito de bom em suas vidas e o que pode fazer também por cada pessoa que Nele deposita sua confiança.

“Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua justiça, delícias perpetuamente”. Salmo 16: 11.

terça-feira, fevereiro 08, 2011

CELPA, DESCASO E PREJUIZOS EM SERRA PELADA



SERRA PELADA

A vila de Serra Pelada conta com energia elétrica desde 1983, mas o fornecimento é precário e até hoje a falta é constante, em algumas semanas chega a faltar por cinco dias consecutivos, e o pior é que toda semana pelo menos um dia a vila fica sem luz elétrica. Além do descaso no fornecimento, a manutenção da rede que abastece uma precária subestação na vila é feita pela direção da Associação de Consumidores de Energia Elétrica de Serra Pelada (ACEESP).

Segundo o presidente da entidade José Fernandes, popular Dedê, os moradores não pagam o consumo de energia, apenas colaboram com a entidade com valores simbólicos que são usados no suporte quando é necessário deslocamento para alguma área onde apresenta problemas na rede elétrica.

A direção da ACEESP informou ainda que uma medida paliativa está sendo providenciada pela Rede Celpa, responsável pela distribuição de energia no Estado, para diminuir as constantes faltas. “Será a mudança de um linhão que está em uma área de mata densa, chamada de paredão para as proximidades da estrada de acesso à vila. Mesmo com a mudança a manutenção da rede continuará sendo feita pelos membros da associação”, afirma Dedê.

Delma de Moraes é comerciante e confirmou que a vila fica realmente sem energia e que a falta é constante: “Essa semana ficamos dois dias sem energia, aqui em nosso comércio só não tivemos prejuízos porque fizemos um investimento de R$ 300 em um motor elétrico”.

Luis Gonzaga do bairro Morumbi, reside em uma casa com mais seis pessoas, afirma que a comunidade não paga o consumo, mas sofre com o descaso da Celpa: “Quando falta energia corremos o risco de também ficar sem água, porque a bomba que puxa água do poço é movida a energia elétrica. Para evitar o problema em dobro, compramos umas caixas d’água que ficam sempre abastecidas. Mas esse é só um dos diversos constrangimentos que sofremos com o descaso”, disse seu Gonzaga.

Proprietário de uma papelaria Cláudio Moraes apela para a tecnologia na tentativa de evitar prejuízos em seu comércio. Nobreak’s são usados nos computadores, um gerador de energia garante o fornecimento quando a rede elétrica não funciona. O empresário também usa disjuntores em todos os equipamentos: “Eu uso tudo isso porque se não tomar esses cuidados os prejuízos com equipamentos seriam enormes”, diz Cláudio que reforça: “Estamos aqui longe dos olhos das autoridades e gostaríamos que os responsáveis por essa energia atentassem a necessidade de nossa comunidade”.

Na noite de sexta-feira (05) enquanto a equipe de reportagem produzia essa matéria mais uma vez a vila de Serra Pelada ficou sem energia, a luz de velas conversamos com Ricardo Viana. O comerciante relatou que o sofrimento à noite sem energia e enorme: “Ficamos sem ver TV, o telefone também para de funcionar, ainda temos que suportar o calor e ataque dos mosquitos, já que não podemos contar com ventilador, isso sem falar que a vela fica sendo nossa principal companheira” relata.

O Posto de Saúde da vila que fica há 50 km do centro de Curionópolis é outro ponto afetado pela falta de energia que interfere até nos atendimentos de emergência. Curativos e suturas são feitos a luz de velas, segundo uma técnica em enfermagem que prefere não se identificar.

A profissional de saúde afirmou ainda que no caso de vacina, o problema é mais grave: “Não temos vacinas no Posto de Saúde porque com a constante falta de energia as câmaras frias não garantiriam a eficácia do injetável preventivo. Por exemplo, se alguém tiver um corte e precisar de uma antitetânica ou for mordida por um cão ou gato e precisar de uma anti-rábica, terá que se deslocar até Curionópolis” finaliza a técnica de enfermagem.

Agência Bateia

sexta-feira, fevereiro 04, 2011

Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "CASAMENTO CIVIL É UMA LEI IMPOSTA PELO ESTADO PARA...":



Ola!Valter

Os contratos de casamento, a princípio estabelecidos pela família em algumas sociedades antigas, sem a interferência do Estado, vindo a fazer parte do universo jurídico apenas num passado recente, eram motivados por questão de ordem material e não afetiva.

Não era a legitimação do casamento a preocupação inicial, mas sim a partilha dos bens ao final deste. No Brasil, a Igreja no seu princípio seguiu as diretrizes da Constituição Republicana de 24 de Janeiro de 1891, no art. 72, parágrafo 2°., que reconhecia apenas o "casamento civil", e do Código Civil que vigorou a partir do 1° de Janeiro de 1917, cujas disposições só reconhecia como válido o casamento civil celebrado pela autoridade secular.

Entendendo se dever cívico de submissão às autoridades constituídas (Rm 13) e da preservação dos bons costumes (padrão culturalmente instável), a Igreja Evangélica, sem maior reflexão bíblica, privou o batismo nas águas e consequentemente da santa ceia aqueles novos crentes congregados que se encontravam diante da "lei" irregulares e marginalizados em virtude de sua união conjugal não seguir as diretrizes legais de então, quanto ao casamento ou reconhecimento do status de família.

Com os graves problemas que esta exigência jurídica causou, uma vez que não eram reconhecidas pelo Estado as uniões conjugais estáveis, acontecia que no momento da separação entre estes "casais", a mulher sempre sofria prejuízos na partilha (quando havia partilha) de bens e em outras questões básicas.

Diante deste quadro, partindo de mudanças no Direito Tributário, o Estado acabou por reconhecer através da Constituição de 1988 em seu art. 226 parágrafo 3°, a união estável entre homem e mulher como entidade familiar, caracterizada pela convivência pública, contínua e duradoura com o objetivo de constituir família. Tal artigo foi regulamentado pela Lei 9.278 de 10 de Maio de 1996 e pelo novo Código Civil de 10.01.2002 em seu art. 1723.

O Estado com isso corrigiu um erro e uma injustiça, retomando o principio dos primórdios da sociedade onde "o fato do casamento era por si reconhecido e satisfatório. Tais mudanças nas leis do país, não quebraram nenhum principio bíblico referente a vida conjugal entre homem e mulher, ao contrário, consolidaram o referente princípio.

Sendo o casamento não sujeito a um padrão bíblico, judicial e cultural universal, entende-se que Deus o concebe conforme o tempo, cultura, costume e padrões normativos da sociedade, desde que não infrinja os princípios estabelecidos pela palavra de Deus, dentre os quais a heterossexualidade e a fidelidade conjugal (Gn 1.27, 2.22-25; Ex 20.14, 17; 1Tm 3.2;).


quinta-feira, fevereiro 03, 2011

PROJETO SOCIAL PROMOVE TARDE LITERÁRIA EM SERRA PELADA

Coordenadora e os pequeninos exibem os livros.

Mãe conta história e proporciona primeiro contato
da filha com a literatura.

Primeiro contato com o carro do projeto Literatura Abre-portas.

Teatro com fantoches atraiu a atenção da criançada

SERRA PEALADA

O modo de vida da comunidade de Serra Pelada vem mudando consideravelmente, justificada pelas oportunidades de emprego e renda e também pelo acesso a ações culturais e educacionais desenvolvidas pela Coordenadoria de Projetos Sociais do Projeto Serra Pelada.

No dia 27 de janeiro foi realizada na Praça da Vila a segunda edição da Tarde Literária, evento que foi idealizado pela necessidade de leitura diversificada pelas crianças, mas que se estendeu também aos adultos, que tem participado assiduamente.
“Nós fizemos uma pesquisa e constatamos que o hábito de leitura da vila é relacionado a livros didáticos ou a bíblia.

Visto isso, resolvemos criar um evento que incentivasse e proporcionasse acesso à literatura de modo geral”, explicou à coordenadora Marly Ferreira.


Na oportunidade foi apresentado também um novo projeto denominado de Leitura Abre-portas que consiste em um carrinho contendo um acervo literário que irá percorrer os bairros do distrito.

A iniciativa se deu porque muitos moradores da vila não encontram meios de participar da Tarde Literária, “a partir daí decidimos levar a literatura aos bairros e dinamizar ainda mais nosso projeto” diz Marly.


No evento mais de cem obras foram colocadas à disposição das quase quatrocentas crianças participantes, incluindo também revistas e jornais de circulação regional e nacional.

A informação parte da coordenação que ressaltou que o evento conta com apoio de professores da rede pública de ensino e voluntários da comunidade.
Nonato Cavalcante, diretor de escola pública e coordenador do posto de alfabetização do Projeto Serra Pelada, um dos colaboradores na Tarde Literária falou da importância da iniciativa para a comunidade: “Além de levar os livros, o projeto incentiva a necessidade de leitura e abre novos horizontes no que diz respeito ao conhecimento e aprendizado, por isso avalio a Tarde Literária como excelente projeto voltado à nossa comunidade” disse o diretor.

Durante a realização do evento as crianças ainda recebem lanches e assistem a peças teatrais realizadas com fantoches que são manuseados por profissionais ligados à coordenação de Projetos Sociais.

Agência Bateia

terça-feira, fevereiro 01, 2011

MAGISTRADO COBRA AÇÃO DO CONSELHO TUTELAR E CHAMA ATENÇÃO DOS DEMAIS PODERES PARA PROTEÇÃO DE MENORES.


Serra Pelada


A prostituição infantil e o uso de entorpecentes por menores preocupa o juiz da Comarca de Curionópolis. O Distrito de Serra Pelada chama atenção do Magistrado que deve formar uma frente de trabalho no sentido de amenizar abusos contra incapazes.

“De posse das informações referentes a casos envolvendo menor em Serra Pelada iremos formar uma frente de trabalho contando com apoio do Poder Executivo Municipal, Legislativo e das polícias Civil e Militar para viabilizar uma situação urgente para a comunidade da vila que não pode ficar desassistida”, assegurou.

O silencio quase que absoluto por parte da comunidade, acaba prejudicando os registros de casos no Conselho Tutelar. A população diz temer ação de partes interessadas pelo crime e assim não denunciam, dificultando ainda mais a ação das autoridades no combate à violência contra crianças e adolescentes.

Foram quase 300 casos registrados pelo Conselho Tutelar de Curionópolis em 2010, e este número seria bem maior se a comunidade garimpeira não insistisse em se calar diante do problema e permitisse que os registros fossem feitos oficialmente. Segundo a coordenadora do Conselho, Telvaneide Barros de Sousa, a comunidade tem medo de denunciar. “Somos informados de modo incompleto, quando partimos para apurar as denúncias, as pessoas se negam de nos encaminhar até a ocorrência com precisão” relatou.

Os casos mais freqüentes são registrados com presença de menores em bares e casas noturnas, se prostituindo, consumindo drogas e bebidas alcoólicas. Casos preocupantes também envolvem gravidez na adolescência e pedofilia. Os dados são do relatório anual do Conselho Tutelar de Curionópolis.

A situação alarmante chamou a atenção do Poder Judiciário do município e o Magistrado Claytoney Passos de Lira, lotado na Comarca de Curionópolis desde setembro de 2010, que tem encarado com muita responsabilidade, na tentativa de se juntar aos demais poderes para amenizar o problema, deu entrevista ao jornal e segundo ele, apesar da sede do município concentrar muitos casos envolvendo crianças e adolescentes em situações de risco Serra Pelada é a região que mais preocupa: “O problema em Serra Pelada é histórico, contudo vem se agravando a cada dia e isso nos chamou a atenção para novas ações que visem preservar a integridade física e psicológica dos menores residentes na vila” relatou Dr. Claytoney Lira.

Em vista a preocupação do Judiciário de Curionópolis nos casos recorrentes em Serra Pelada, o Juiz afirma que irá solicitar do Conselho Tutelar mais presença no distrito e lembrou: “Os conselheiros são eleitos por voto popular, ou seja, a comunidade deposita neles confiança e espera que correspondam, fazendo valer os diretos das crianças e adolescentes. Sendo assim é de responsabilidade do Conselho Tutelar apurar e encaminhar até nossa Comarca quaisquer que sejam os casos para que estes, sejam analisados e resolvidos”, afirmou.

Para garantir que Serra Pelada não fique desassistida o Juiz disse que irá solicitar ao Conselho Tutelar presença semanal na vila, já que a autarquia conta com suporte de um veículo e são cinco conselheiros. “O principal objetivo das idas do Conselho até Serra Pelada é para que seja feito um levantamento real da situação e assim possamos agir com precisão, priorizando os casos mais graves”.

A parceria Coomigasp/Colossus, vem contribuindo de forma significativa para que a comunidade de Serra Pelada melhore sua qualidade de vida. Os atendimentos na área da saúde tem alcançado o público infanto-juvenil, com palestras orientando quanto aos meios de prevenção e na área da educação, esporte e cultura, com atividades envolvendo jovens e adolescentes na tentativa de despertar o interesse da comunidade em inserir a juventude em uma nova modalidade de vida.

O magistrado finalizou afirmando que os órgãos, entidades e autarquias competentes não podem se abster da responsabilidade de cuidar dos direitos assegurados às crianças e adolescentes e que vai cobrar quando necessário, medidas que resultem no cumprimento da Lei.

Agência Bateia