Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

segunda-feira, junho 30, 2014

Nosso candidato Gesmar Costa 55100

Convenção do PSD em Belém nesta segunda feira confirma GESMAR COSTA, vice-Presidente da sigla partidária como candidato a DEPUTADO ESTADUAL nas eleições gerais deste ano. 

Vamos todos a luta em favor do nosso querido amigo GESMAR COSTA, guardando na mente e no coração 55100 para no dia 05 de outubro votar nele com muita emoção.



Saaep e CDL firmam convênio para reduzir inadimplência









Na tarde de quinta-feira (26), representantes do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (Saaep) e da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) assinaram convênio para estabelecer viabilização de acesso ao sistema do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) de usuários inadimplentes com o serviço.

De acordo com o contrato, o Saaep ficará encarregado de consultar, notificar, incluir e excluir consumidores no sistema do SPC Brasil. 

Já a CDL estabelecerá parâmetros e condições para o serviço, além de treinar servidores da autarquia municipal para utilização da ferramenta de informações.

Para Daniel Lopes, presidente da CDL, o abastecimento de água no município melhorou consideravelmente, o que explica a obrigação do pagamento por parte dos usuários. 

“A Prefeitura vem cumprindo sua obrigação com melhoria do sistema de abastecimento de água, nada mais justo que os usuários estejam em dia com o pagamento”, justificou.

Paulo Galdino, titular do Saaep, declarou que a cobrança está sendo feita após ampliação do serviço e que os valores serão convertidos em investimentos do próprio sistema. 

“O município deixa de receber hoje cerca de R$ 18 milhões por inadimplência de pagamento do serviço de abastecimento de água. 

Este valor poderá ser repassado para melhoria do serviço”, disse o gestor.

O convênio terá vigência de um ano, a partir da data da assinatura, podendo ser renovado a qualquer momento, se houver concordância de ambas as partes.


Prefeitura Municipal de Parauapebas | Assessoria de Comunicação Social
Núcleo de Imprensa | imprensa@parauapebas.pa.gov.br
(94) 3356-0531 / 3346-1005 - Ramal 2079  | (94) 8807-7734

Ao tentar defender mãe, adolescente esfaqueia e mata o pai em Camboriú

Homem entrou em casa embriagado 

e começou a agredir a mulher.
Filho, de 17 anos, acabou 
esfaqueando o pai após ele sufocar 
a mãe.

Do G1 SC

Um adolescente de 17 anos foi apreendido após confessar ter matado o pai, em Camboriú, no Litoral catarinense. 

Segundo a Polícia Militar, o garoto tentou defender sua mãe após ela começar a ser agredida pelo homem, de 37 anos. 

O caso aconteceu neste domingo (29), no bairro Monte Alegre.

Segundo a Polícia Militar, a corporação foi informada do caso por volta da 1h. 

Ao chegar no local, encontraram a vítima sendo atendida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que constatou o óbito.

saiba mais
    

         


Para os policiais, o rapaz contou que seus pais estavam se separando. 

Conforme o depoimento, o homem chegou em casa embriagado e começou a agredir a mulher. 

Foi quando o garoto tentou separar os dois e começou a brigar com o agressor.

O pai então teria pegado uma faca. 

Neste momento, o adolescente disse que se afastou e o homem voltou a agredir a mulher a sufocando. 

O garoto pegou a faca e começou a desferir golpes no pai. 

Um deles atingiu a veia jugular do pescoço, o deve ter sido a causa da morte, segundo a PM.

A Polícia Civil e o Instituto Geral de Perícias foram acionados. 

O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal. 

Já o adolescente foi apreendido e levado para a Delegacia de Camboriú, onde permanecia até as 22h44 deste domingo. 

Ele aguardava vaga para internação em um abrigo de ressocialização para menores infratores

Mulheres são vistas como propriedades dos homens no Líbano


ONU fez ranking dos países 

muçulmanos que mais 

desrespeitam 

mulheres. 

No Egito, milhões de mulheres 

tiveram órgãos genitais mutilados.

A reportagem especial deste domingo (29) investiga uma violência contra a mulher: por que, em alguns lugares do mundo, as mulheres ainda são tratadas como cidadãs de segunda classe e sofrem todo o tipo de abuso?









O Líbano, por exemplo, uma sociedade moderna convive com costumes medievais. 

Lá, as mulheres, depois do casamento, passam a ser propriedade dos maridos e podem ser agredidas, presas e até estupradas sem ter a quem recorrer.

Será que voltamos dois mil anos no tempo? 

Não exatamente. 

É 2014, estamos no Oriente Médio e muitos homens ainda agem como sultões, em um mundo que eles acreditam que mulheres existem para servi-los.

Segregação, maus tratos, mutilação de órgãos genitais, estupros, tortura dentro de casa, divórcios desejados pelas mulheres, mas dificilmente alcançados e crimes de honra em que o marido assassino sai praticamente impune.

O Fantástico vai mostrar mundos que não mudam. 

Homens que mandam. 

E mulheres que não querem mais obedecer.

À primeira vista, pelo menos no primeiro encontro, Beirute, a capital do Líbano, parece um paraíso da modernidade. 

Para os padrões do Oriente Médio, a noite pegando fogo é muita ousadia.

A primeira vista, a noite de Beirute é muito parecida com a de São Paulo, Rio, Porto Alegre, Belo Horizonte, qualquer grande cidade brasileira. 

Mas ao entrar na sociedade libanesa, entendendo um pouquinho melhor, percebe-se logo que as mulheres não andam nada satisfeitas.  

ONU lista países muçulmanos que mais desrespeitam direitos das mulheres.

Um estudo da ONU, de março deste ano, fez um ranking dos países muçulmanos que mais desrespeitam os direitos das mulheres. 

O Líbano aparece na posição 14 entre 47 países. 

No Egito, segundo a ONU, mais de 27 milhões de mulheres tiveram os órgãos genitais mutilados. 

No Iraque, mulheres são vendidas e estupradas.

Naíma Yazbek é brasileira, descendente de libaneses por parte de mãe. 

Se fosse por parte de pai, teria cidadania e não seria tratada oficialmente como uma prostituta, o que acontece com as estrangeiras que trabalham como dançarinas no Líbano.

“Eu tenho que fazer exame de sangue, porque eu sou dançarina. 

Meu visto de trabalho aqui é como dançarina”, conta Naíma Yazbek, dançarina.
Fantástico: Mas que exame?

Naíma: Exame de AIDS, e de sífilis. 


A cada três meses eu tenho que 

pagar o exame, não pode ser 

qualquer laboratório, tem que ser o 

da imigração do Líbano.

dança do ventre é tradição. 

Sensualidade permitida nos países árabes. 

Em sociedades onde a mulher, muito frequentemente, é vista como propriedade dos homens.

“A mulher tem um papel na sociedade. 

Ou ela é para casar ou ela é para ser, aquela mulher para ser usada”, explica Naíma.

Mulheres libanesas perdem inúmeros direitos após o casamento
Depois do casamento, a mulher libanesa perde inúmeros direitos. 

É quando alguns homens se sentem poderosos demais.

Fantástico: Te bateu, o que? 

Deu um soco na cara?

Naíma: Me bateu, deu soco, me 

empurrou.

Quando Naíma foi até à polícia denunciar o ex-namorado ninguém deu ouvidos.

“Quase riram da minha cara. 

Eles perguntaram: "você foi estuprada, não! 

Você foi machucada, não! 

Então eles: ‘Ah, então você, o que que você tá reclamando?’", lembra a dançarina.

Leis no Líbano concordam que homem deve ter poderes sobre as mulheres

Os casamentos no Líbano seguem leis religiosas, que não tem nada de parecido com o nosso Código Civil Brasileiro. 

As leis muçulmanas e cristãs, lá, concordam que o homem deve ter poderes sobre as mulheres.

Dados da ONU mostram que no Iêmen, no Kwait, no Sudão, no Barém, na Argélia e em Marrocos, o marido agredir a própria mulher não é crime. 

Na Faixa de Gaza, em 2011, 51% das mulheres sofreram com a violência doméstica

No Líbano, não existe punição para o marido que forçar a mulher a fazer sexo com ele.

Vítimas de agressões fotografaram o que representava o sofrimento.

As fotografias foram resultado de um trabalho da ativista Dália Khamissy com dez mulheres que eram vítimas de violência extrema dentro de casa. 

Escondidas dos maridos, elas fotografaram aquilo que representava o sofrimento delas.

“Uma era casada com um ex-soldado, que usava nela e nos filhos os mesmos instrumentos de tortura que usava na guerra”, conta a fotógrafa e ativista Dália Khamissy.

A foto que mais impressionou Dália, foi a de um chuveiro. 

Depois de ser violentada pelo marido, a mulher desmaiava, e era arrastada até o chuveiro. 

Quando acordava, apanhava mais.

“Se um marido descobre que a mulher está tendo um caso, ele tem direito de matá-la. 

Mas se ela descobre que ele está tendo um caso e mata o marido, ela é condenada à prisão perpetua ou morte por enforcamento”, conta Tania Saleh, cantora.

Mulher perdeu virgindade após ser abusada por dois homens
Aisha não mostra o rosto porque tem vergonha. 

Foi abusada sexualmente por um amigo do pai e por estranhos.

“Eu dei talvez cinco, ou seis goles da bebida que me ofereceram e apaguei. 

Não lembro de nada. 

Acordei no dia seguinte, nua, com os dois homens do meu lado, também nus. 

Então eu descobri que tinha perdido a virgindade”, lembra Aisha.

Anos depois, Aisha foi atacada na saída do banheiro de um restaurante.

“Quanto mais eu gritava, mais ele me batia”, conta Aisha.

No fim, o estuprador ainda se sentiu no direito de dar uma lição de moral na vítima.

“Ele disse que se eu fosse irmã dele ele teria me matado, porque eu estava fora de casa àquela hora da noite”, diz Aisha.

Aisha não foi à polícia porque teve medo.

Vítimas de estupro podem ser presas por adultério.

Na Arábia Saudita, nos Emirados Árabes e no Sudão, vítimas de estupro que procuram a polícia podem ser presas, por adultério.

E, no Egito, dados da ONU mostram que desde a queda do ditador Hosni Mubarak em 2011, mais de 90% das mulheres foram expostas a algum tipo de assédio sexual.

Brasileira conviveu por dois anos com rotina de agressões no Líbano.

A brasileira Sheila tem duas filhas com um libanês. 

Depois de dois anos vivendo em uma rotina de agressões no Líbano, voltou ao Brasil e se separou do marido.

“Quando você não sofre violência do seu marido, quem te agride fisicamente são cunhados, são primos, são outras pessoas da família que têm a liberdade de te corrigir”, explica a professora Sheila Ali Ghazzaoui.

Consulado brasileiro alerta mulheres brasileiras que pensam em se casar no Líbano.

Problemas como esse têm sido tão frequentes, e graves, que o Consulado do Brasil em Beirute resolveu fazer uma cartilha, um alerta para as mulheres brasileiras que pensam em se casar com libaneses e se submeter às leis extremamente patriarcais do Líbano.

“É saber exatamente onde vai pisar. As diferenças culturais, as diferentes jurídicas. 

Se tem violência doméstica, com agressão física ou não”, conta o cônsul-geral adjunto em Beirute Luiz Eduardo Pedroso.

Com um simples telefonema às autoridades de imigração, o marido pode impedir a mulher de deixar o país. 

E frequentemente o consulado recebe brasileiras pedindo ajuda para voltar para casa.

“Se o marido não botou o nome no aeroporto, há uma maneira de tirá-la daqui, mas tem que ser feito de forma discreta, etc e tal. 

Se ficar jogando aos quatro ventos o marido fica sabendo, no dia seguinte põe o nome, e ela não sai”, explica Luiz Eduardo Pedroso.

Cônsul do Líbano em SP diz que país não trata mulheres de forma diferente.

O cônsul-geral do Líbano em São Paulo diz que o país não trata as mulheres de forma diferente de outros países.

“Nós temos casos de violência doméstica, e até mesmo de estupros dentro e fora das famílias, mas não é nada alarmante. 

Neste ano, foi aprovada uma nova lei que protege as mulheres contra a violência doméstica que nós estamos implementando”, afirma cônsul-geral do Líbano em São Paulo Kabalan Frangie.

Libanesas se cansaram de ficar em silêncio.

Mas as libanesas se cansaram de ficar em silêncio. 

Recentemente, mais de cinco mil mulheres, apoiadas por algumas centenas de homens, fizeram uma corrida pelas ruas de Beirute para reclamar mais espaço na sociedade.

E entre as corredoras-ativistas, a deputada que resolveu fazer da luta pelos direitos da mulher uma bandeira para concorrer à presidência do Líbano.

“Ainda vivemos em uma sociedade que tem uma mentalidade patriarcal, feudal e machista, com muita discriminação”, afirma a deputada Nadine Moussa.

Nadine lembra que ela é uma das quatro mulheres entre 124 homens no parlamento.

“Mulheres ainda não são levadas a sério nesse país”, diz a deputada.

Deputada promete insistir na luta pelos direitos da mulher no Líbano
Mas Nadine promete insistir nas próximas eleições. 

Aisha fala dos abusos sempre que pode, para expulsar o fantasma. Naíma dança com orgulho. 

E as ativistas correm contra as leis, contra o machismo e contra o tempo, fazendo o possível para chegar logo ao século XXI.