Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

terça-feira, junho 30, 2015

Pará: deputados e promotor de justiça na lista de ameaçados de morte




Lista de ameaçados teria deputados e promotor







Os deputados estaduais Edmilson Rodrigues (PSOL) e Carlos Bordalo (PT) e o promotor de justiça Armando Brasil estariam na lista dos marcados para morrer por grupos que comandam milícias no Pará.


Bordalo (PT) revelou que foi avisado de que ambos estariam ameaçados por integrantes de grupos de extermínio investigados em janeiro passado, na CPI da Assembleia Legislativa do Pará. 
Edmilson foi o autor da CPI e Bordalo, o relator.
A CPI denunciou civis, empresários, policiais e ex-policiais.


"Provamos que esses grupos de extermínio, essas milícias armadas, são vinculadas ao tráfico de drogas e ao tráfico de armas, bem como, ao contrabando. 
Conseguimos que o Ministério Público denunciasse 15 envolvidos.
Essa ousadia, de colocar o dedo na ferida desta barbárie, fez com que os criminosos reunissem e, agora, ameaçam de morte aqueles que os investigaram.
As nossas vidas estão ameaçadas, mas o crime não pode prosperar", afirmou Edmilson.


O deputado ainda afirmou que irá usar a força institucional de seu mandato e as força dos movimentos sociais para cobrar providências.
"Estou procurando autoridades, o Ministério Público, o Ministério da Justiça, o Poder Judiciário e a própria Secretaria de Segurança Pública do Pará para que investiguem profundamente e que ponham os bandidos na cadeia", finalizou.



(DOL)
Fonte: Blog Sol do Carajás de propriedade do policial civil do DF, Lindolfo Mendes. 


COMENTÁRIO:

É estranho esse cidadão que faz parte de uma suposta lista de "Marcados para morrer", aqui em Parauapebas dentre outros, inclusive eu, e o mesmo não posta uma linha se quer sobre essa lista da qual o advogado Jakson Sousa, assassinado no dia 24 de janeiro do ano em curso na capital amazonense, também fazia parte da mesma, e está se preocupando com os políticos da capital paraense ameaçado de morte. 




































Valter Desiderio Barreto. 

O QUE DIZ A BÍBLIA A RESPEITO DO MINISTÉRIO PASTORAL FEMININO?


A Palavra de Deus nos ordena a cingirmo-nos com o cinturão da verdade (Ef 6:14). 

O servo fiel a Deus, pois, é aquele que não anda segundo as suas opiniões, nem tampouco segundo os modelos extra e/ou antibíblicos. 

Antes, faz das Escrituras Sagradas a sua única fonte de fé e de prática cristãs. 

Nesse sentido, a Bíblia é o paradigma, mediante o qual se conhece a vontade de Deus e se estabelece os princípios vitais a respeito de Sua obra. 

Nela encontramos a regra áurea: NADA SE PODE ADICIONAR OU SUBTRAIR DA VERDADE DIVINA REVELADA NA BÍBLIA SAGRADA (Dt 4:2; 12:32; Pv 30:6; 1Co 4:6; Ap 22:18-19). 

Isso significa que somente o que está escrito deve ser levado em conta. 

Aquilo que não está dito não deve ser acrescentado. 

E o que está declarado deve ser levado a sério, e nenhum til pode ser retirado ou ignorado.

Quanto à ordenação ao ministério pastoral temos os seguintes princípios bem claramente estabelecidos:

1) Nada a respeito de ordenação de mulheres a Escritura se refere: nem em mandamento, nem em exemplo, nem em insinuação. 

(O fato de Raquel ter sido pastora deve ser entendido em seu sentido fatual: pastora do rebanho de ovelhas de seu pai. 

Não no sentido como se é utilizado no novo testamento, a saber, bispos estabelecidos na casa de Deus para pastorear o rebanho de Deus, com função de governo – At 20:28).

2) Os textos que, na Bíblia, se referem à ordenação ao ministério pastoral são específicos, declarando que os que são separados por Deus são necessariamente homens, visto terem por uma de suas características o ser MARIDO DE UMA SÓ MULHER (1Tm 3:2; Tt 1:6).

3) A função dos pastores em relação à igreja inclui o exercício de autoridade, da autoridade representativa de Deus sobre a Sua casa (1Tm 3:4 e 5). 

Quanto a esse aspecto peculiar do episcopado, ordena o apóstolo Paulo que a mulher não deve exercê-lo (1Tm 2:12-13), visto que, pelo princípio da criação, a mulher foi criada como auxiliadora do homem (Gn 2:18; 1Co 11:3), e, como tal, deve trazer véu sobre a cabeça como sinal de autoridade, isto é, sinal de que está debaixo de autoridade (1Co 11:10).

Isso, entretanto, não significa que as mulheres nada podem fazer na casa de Deus. 

O mesmo apóstolo nos ensina que a mulher tanto pode orar quanto profetizar, desde que o faça sob o véu. 

Não certamente sob um véu físico, de tecido, uma vez que o véu é um SINAL de autoridade, não possuindo valor em si mesmo, senão naquilo que ele representa (1Co 11:10). 

O orar e profetizar sob o véu significa que aquela que ora ou fala por Deus (prega) na assembleia o faz submetida à autoridade, de seu marido e/ou do presbitério da igreja. 

Também não se pode pensar que a mulher é, por esse motivo, inferior ao homem, uma vez que ambos são filhos do mesmo Pai, membros do mesmo corpo.

A questão não é de inferioridade ou superioridade, mas da economia de Deus que estabelece uns e outros – na sociedade, em casa, na igreja – conforme Sua vontade e propósito. 

O maio exemplo disso é o texto de 1 Coríntios 11, em que se afirma (no mesmo lugar em que se diz que o homem é o cabeça da mulher), que Deus (Pai) é o cabeça de Cristo (Filho). 

Ora, não se pode imaginar que o Filho seja inferior ao Pai no que diz respeito à essência, à substância divina, até porque há somente um Deus verdadeiro. 

Não há, como querem as testemunhas de Jeová, dois deuses: um poderoso e outro todo-poderoso. 

O único Deus é triuno. 

O que faz do Pai o cabeça de Cristo é tão somente o Seu propósito e economia, aquilo que se refere à Sua obra. 

Nada mais além disso. 

Assim também é a mulher em relação ao marido e aos irmãos, na igreja. 

Deus, em Sua economia, designou as mulheres para, em sua missão de auxiliadora, representar a Igreja (Ef 5:22-24). 

Tal qual a igreja de Cristo, em plena obediência e submissão, em tempos de retidão, assim também as mulheres que andam segundo a vontade de Deus. 

Em tudo isso satanás é envergonhado e derrotado. 

Razão por que deve a mulher trazer véu sobre a cabeça: por causa dos anjos (1Co 11:10).

Muitos consideram isso algo de somenos importância. 

Outros consideram machista o apóstolo Paulo. 

Entretanto, esses e aqueles se esquecem de que nada podemos acrescentar nem retirar da revelação divina. 

A despeito das opiniões humanas – de que tal assunto é picuinha ou desnecessário –, devemos levar em conta que se trata da Palavra de Deus. 

Paulo, assim como todos os demais escritores do antigo e novo testamento, foi apenas instrumento de Deus, mediante o qual o Senhor Espírito soprou a Sua santa revelação, com o fim de que sejamos perfeitos e perfeitamente habilitados para toda boa obra (2Tm 3:16-17).

Genésio Filho anuncia lançamento de novo canal de televisão em Parauapebas


 
Chocopeba.com_.br-5310

O empresário de comunicação Genésio da Silva Filho reuniu a imprensa no último final de semana para anunciar que a partir da segunda quinzena de julho estará oficialmente no ar o canal 4, que será administrado pela empresa Amazônia TV, por meio de sinal da Rede Brasil de Televisão.

Durante a coletiva, Genésio Filho, que administrou a emissora do SBT em Parauapebas por mais de 10 anos, apresentou parte da equipe dos profissionais que estão à frente do novo empreendimento, composta por Simone Entringer, Valdo Pimentel, Cristiana Vieira e David Mclean, além de Raimundo Santos, que não se encontrava presente no momento.

O diretor do novo canal de televisão adiantou que está mantendo contato com profissionais ligados à imprensa e comunicação de Parauapebas, com o objetivo de montar a grade com programação local.

Embora até então ainda não tenha fechado nenhum contrato oficialmente com os futuros apresentadores de televisão, Genésio Filho informou que é sua pretensão incluir na grade de programação da nova emissora Zé Dudu, Bariloche Silva, Kelvis Raniere, Fábio Sacramento, Deo Martins, Eliana Andrade, Edivan Xavier e outros.

Segundo revelou, Genésio Filho pretende fazer grandes investimentos no novo canal de televisão, construir uma nova sede para a empresa, comprar equipamentos de última geração e mostrar Parauapebas por todos os ângulos.

O escritório da Amazônia TV canal 4, repetidora da Rede Brasil de Televisão, funciona provisoriamente na Rua G nº 201, Bairro União, Parauapebas.

Fonte:  Notícias de Parauapebas

Lei dá a pastores o direito de não casar gays


Casamento homossexual feria questões de Liberdade Religiosa

por Jarbas Aragão




Lei dá a pastores o direito de não celebrar casamento gay   


O governador Greg Abbott assinou em cerimônia pública a lei 2065, que marca uma vitória de um movimento que uniu diversos movimentos evangélicos do Texas. 

A “Lei de proteção ao Pastor” assegura aos ministros o direito de não celebrarem cerimônias de casamento homossexual nas igrejas pelas quais são responsáveis.
 Lei-da-a-pastores-o-direito-de-nao-celebrar-casamento-gay
O imbróglio jurídico começou no ano passado, após o reconhecimento da legalidade do casamento gay em diversos estados norte-americanos. 

Seguindo a linha liberal da administração Obama, o governo federal fez pressão em vários níveis em favor da comunidade LGBT.

Houve casos de empresas serem proibidas de se recusar a prestar serviço a casais homossexuais.

No conservador Estado do Texas, a prefeita da cidade de Houston, Annise Parker, foi a primeira prefeita abertamente gay eleita em uma grande cidade dos EUA. 

A prefeitura de Houston logo emitiu um decreto-lei permitindo que indivíduos transgêneros podiam fazer queixa-crime se sentirem-se discriminados de alguma maneira.
 
Alguns pastores mostraram-se contrariados depois que surgiram denúncias que eles estavam promovendo “discurso de ódio” nas igrejas. 

A prefeitura pediu então que eles submetessem cópias de seus sermões para que autoridades investigassem se havia homofobia. 

O recado era claro: os pastores ou padres que se manifestarem do púlpito contra o público LGBT terão de responder juridicamente por discriminação.

A pressão dos evangélicos do Estado inteiro forçou a prefeitura a voltar atrás. 

Iniciou-se então um embate legal no tocante aos limites da liberdade de expressão nos púlpitos. 

Os cerca de 400 pastores de Houston conseguiram a suspensão do decreto municipal que limitaria sua liberdade.

A partir de então um projeto de lei que recebeu o apoio de deputados dos dois partidos predominantes do sistema eleitoral começou a tramitar. 

Lobbies de organizações pró-LGBT como a ACLU, Iquality Texas e a Texas Freedom Network não tiveram sucesso.

O embate ganhou força quando diversas igrejas e organizações religiosas e pró-família como o Conselho de Pastores do Texas, a Conferência Católica do Texas, Convenção Batista do Texas, Eagle Forum, Liberty Institute, Focus on the Family, Coalizão de Pastores Afro-americanos – entre outros – uniram forças.

Com a aprovação da nova lei, nenhuma igreja ou organização religiosa do Texas poderá ser forçada a realizar um casamento e tampouco forçados a prestar serviços, acomodações, instalações ou ceder bens para qualquer atividade que viole suas crenças religiosas.

Uma vez que foi aprovado com dois terços dos votos, o projeto passou a ser lei imediatamente. 

Jonathan Saenz, presidente da Texas Values Action, ONG jurídica que defende a liberdade religiosa, comemorou: “Hoje comemoramos com pastores e membros do clero que são guiados por suas crenças religiosas sinceras e asseguramos que o Texas desfruta de liberdade religiosa sem interferência do governo”. 

Com informações de Texas Value

segunda-feira, junho 29, 2015

"Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco". I TESSALONICENSES 5: 18.



Depois do gozo de merecidas férias do meu trabalho no SAAEP, neste mês de junho de 2015, estarei retornando ao meu setor de trabalho no Departamento de Educação Ambiental, na próxima quarta feira, dia 1º. 

Antes de fazer um pequeno relato da minha viagem a minha cidade natal, Barretos, São Paulo, para visitar meus familiares amigos, e ex-colegas funcionários da rede de ensino estadual do estado de São Paulo, gostaria de agradecer a Deus pelo meu emprego conquistado aqui no município de Parauapebas, graças ao ex-gestor do SAAEP Gesmar Costa, quando o mesmo assumira a gestão desta autarquia no início do governo do nosso prefeito Valmir Queiroz Mariano, o qual também agradeço-lhe muito pela oportunidade que ele me deu, autorizando o Gesmar me contratar para assumir o setor de Educação Ambiental do SAAEP, depois de examinarem o meu currículo acadêmico e profissional, concluindo que meu perfil profissional se encaixaria neste setor que tem um papel importante na autarquia e no governo Valmir Queiroz Mariano. 

Já se vão quase dois anos fazendo parte da família SAAEP, onde graças a Deus tenho conquistado o carinho, a amizade e o respeito dos colegas de trabalho de todos os setores, que considero uma verdadeira família que encontrei aqui nesta cidade aconchegante e maravilhosa, que me deu essa grande oportunidade de poder contribuir como funcionária desta autarquia responsável pelo tratamento da água e o esgoto do município de Parauapebas. 

Não posso deixar de agradecer ao ex-gestor Paulo Galdino que sempre nos tratou bem enquanto esteve na direção desta autarquia no afastamento do Gesmar para concorrer um cadeira de Deputado Estadual em 2013, e agora o atual gestor José de Fátima que tem procurado manter um padrão de relacionamento respeitoso e equilibrado entre os funcionários que encontrara no SAAEP, semelhante ao que fora deixado pelo então gestor Gesmar Costa. 

Graças a Deus, minhas férias foram bem desfrutadas durante esses dias que antecedem o meu retorno ao trabalho, porque viajei com um acompanhante muito especial que é meu esposo Valter Barreto,  para Barretos, como afirmo no começo deste texto. 

Antes da nossa ida a minha cidade natal, passamos por Araguaína, onde pousamos dois dias na residência da nossa querida amiga Estela Noemy Borges, que foi educadora aqui em Parauapebas, fundadora da Escola Municipal Eurides Santana, em seguida, viajamos para Goiânia, com destino a Barretos. 

Lá chegando, tivemos a honra de sermos recebidos pelo nosso prefeito barretense Guilherme Ávila, fisioterapeuta, e ex-vereador, onde trocamos algumas informações sobre o trabalho que desenvolvemos aqui como servidora contratada do SAAEP na área de educação ambiental juntamente com todos os nossos colegas de trabalho, recebendo do mesmo elogios  e votos de sucessos ao prefeito de Parauapebas Valmir Queiroz Mariano.  

Estou pronta para mais uma jornada de trabalho, junto a minha querida família SAAEP, assim como também, sempre estarei a disposição do nosso prefeito Valmir Queiroz, para ajudá-lo no que for preciso para o bom andamento dos serviços prestados a população parauapebense, que merece nossa dedicação incondicional como servidores deste governo, que recebeu o voto de confiança da maioria dos moradores desta cidade, que acreditaram na competência administrativa do então empresário Valmir Queiroz Mariano. 







NOTA SOBRE A RECENTE DECISÃO DA SUPREMA CORTE DOS EUA

 

Pr. Reinaldo Ribeiro



De ontem para cá não se fala em outra coisa. 

As redes sociais, demais mídias, pessoas ao redor do mundo celebram e várias fotos de perfis estão coloridas, como forma de apoio à decisão da Suprema Corte Norte Americana a favor do chamado "casamento gay". 

Em respeito e atenção àqueles que me pediram um pronunciamento sobre o tema, eis aqui alguns pontos:

1. Considero válido o democrático direito à livre expressão. 


Sendo assim, eu respeito profundamente o ponto de vista daqueles que aprovam o acontecimento em questão.

2. Como a PL 122 ainda não foi aprovada, acredito que fazer um mero texto com alguns argumentos contra o casamento gay ainda não me reservará uma cela na prisão. 


Logo, como não corro risco de ser preso (pelo menos por enquanto) , devo salientar que não concordo com esta prática, mesmo sem ter nada contra a pessoa homossexual.

3. Se o casamento é apenas um contrato social que tem por finalidade repartir o patrimônio conquistado entre um par, não há razão para que não se estenda esse direito para gays ou até mesmo para polígamos. 


Mas se o casamento é a instituição que o Estado defende por ser a melhor forma de se criar uma família e um filho em sociedade, não há razão para estender esse direito para qualquer outro grupo, pois casamento seria entre homem e mulher.

4. Num casamento, os dois elementos têm cada um suas características e suas funções. 


Uma das atividades inerente ao casamento é o sexo, onde o homem tem a postura ativa e a mulher a postura passiva. 

Sem que haja a consumação do casamento com o sexo, o casamento pode ser anulado. 

Um homem pode pedir o divórcio alegando que sua mulher lhe nega a conjunção carnal. 

Pois bem. 

O casamento gay seria apenas uma caricatura do casamento. 

Num casamento gay não existem funções definidas ( de ativo e passivo ). 

Não existe gene homossexual ativo e passivo. 

Logo, é difícil crer que um gay possa pedir o divórcio alegando que seu parceiro lhe nega a conjunção carnal, uma vez que seu parceiro não tem função definida. 

Um pode se negar a ter a função ativa e é impossível haver vida sexual sadia com dois elementos passivos.

5. A oficialização do casamento gay gera perseguição contra seus discordantes. 


O que pode ocorrer é que muitos homossexuais religiosos se sentirão afrontados quando suas instituições religiosas se negarem, por motivo de crença, a celebrar seu matrimônio. 

Patrões e empresas poderão correr o risco de sofrerem consequências caso não queiram empregar homossexuais para determinadas funções. 

Homossexuais não poderão ser impedidos de trocarem afetos em lugares públicos, o que pode gerar algum tipo de confusão na cabeça de crianças( de 1 a 6 anos) que verem a cena.

Ao legalizar o casamento gay, o Estado se torna o seu promotor oficial e ativo. 


O Estado apela a funcionários públicos para oficializar a nova cerimônia civil, ordena as escolas públicas a ensinar sua aceitabilidade para as crianças e pune qualquer funcionário público que expressa desaprovação.

Na esfera privada, os pais opositores vão ver seus filhos expostos mais do que nunca a esta nova “moralidade”, empresas que oferecem serviços de casamento serão obrigadas a fornecê-los para uniões do mesmo sexo, e proprietários de imóveis terão de concordar em aceitar casais homossexuais como inquilinos. 


O Estado vai esperar que os muitos religiosos traiam suas consciências por apologia, através do silêncio ou ato, a um ataque aos seus princípios.

Na Dinamarca, por exemplo, a Côrte Suprema do país já determinou que nenhuma religião pode se negar a casar gays. 


Em outros países já é proibido se expressar em espaço público dizendo que a homossexualidade é pecado, pois isso configuraria homofobia.

Hoje mesmo, nos Estados Unidos, existe um cadastro na Califórnia de pessoas que não apoiam o casamento gay, que é usado por empregadores para negar emprego a essas pessoas. 


Empresas que são contra o casamento gay (Chicken-Fill-A) sofrem ameaças e boicotes. 

Pessoas são taxadas de homofóbicas apenas porque são contra o casamento gay. 

Se isso acontece em hoje, imagina o que não acontecerá quando o casamento gay for instituído em larga escala?

Com o passar do tempo, muitos filhos de casais gays vão acabar se sentindo constrangidos quando chegar o dia dos pais e das mães, assim como quando forem preencher um cadastro e lhes forem perguntados os nomes de seus pais e mães. 


Logo, uma hora ou outra, os nomes pai e mãe serão substituídos por responsável 1 e responsável 2. 

Logo, a função de pai e mãe vão perder importância na sociedade e a família ficará desfigurada.

7. Casamento não é apenas qualquer relacionamento entre seres humanos. 


É uma relação enraizada na natureza humana e, portanto, regida pela lei natural. 

O Preceito mais elementar da lei natural é que “o bem deve ser feito e buscado e o mal deve ser evitado.” 

Por sua razão natural, o homem pode perceber o que é moralmente bom ou ruim para ele. 

Assim, ele pode saber o fim ou a finalidade de cada um dos seus atos e como é moralmente errado transformar os meios que o ajudam a realizar um ato em finalidade do ato. 

Qualquer situação que institucionaliza a neutralização da finalidade do ato sexual violaria a lei natural e a norma objetiva da moralidade. 

A lei natural é universal e imutável. 

Ela se aplica a toda a raça humana, da mesma forma.

Obviamente, como cristão e pregador da Palavra de Deus, eu poderia fazer uso aqui de centenas de referências bíblicas que me apoiam na decisão de jamais concordar com o suposto casamento gay, mesmo sem qualquer prejuízo ao meu dever de amar e respeitar essas pessoas. 


Mas se vivemos num Estado laico, eis aqui apenas a posição de um cidadão, que não vai colorir sua foto de perfil, porque antes de nadar nas correntezas do engano, prefere seguir e servir a Deus!