Banners


Create your own banner at mybannermaker.com!

Aproveitamento do caroço de açaí

< / a >

terça-feira, maio 31, 2016

As mães da Apae de Parauapebas se manifestaram na sessão da Câmara Municipal de Parauapebas desta terça-feira em busca de apoio dos vereadores




A Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Parauapebas ... as Mães da Apae, como se autodenominam, estiveram nesta última terça-feira do mês em curso na Câmara Municipal de Parauapebas, para denunciar a situação e pedir o apoio dos vereadores ... pela implantação, melhoria, manutenção e custos do serviço.

Com cartazes produzidos em folhas de cartolinas, acompanhadas de várias crianças com necessidades especiais, essas mães guerreiras, e verdadeiras heroínas anônimas, estiveram na sessão ordinária desta terça-feira na Câmara Municipal de Vereadores de Parauapebas, fazendo um dramático apelo aos Edis daquela "Casa de Leis", para intermediar junto ao governo Valmir Queiroz Mariano apoio de manutenção e custos de serviços oferecidos a esse público carente de assistência especial, que é dependente da ajuda não só do poder público, como também da iniciativa privada fundamental para sua sobrevivência com vida de qualidade.

Todos os vereadores presentes se sensibilizaram com a situação exposta pelas "Mães da Apae", e assumiram compromisso de junto ao prefeito Valmir Mariano, viabilizar uma forma de apoio e atendimento ao pleito dessas senhoras mães, que estão simplesmente defendendo o direito de suas crianças usufruírem os benefícios que lhes garantam uma excepcional qualidade de vida. 

Nesta mesma sessão, foi aprovada por unanimidade concessão de título honorífico ao artesão Valter Desiderio Barreto em segunda e última discussão.

Atendendo a proposição do vereador Bruno Soares (PSD), o plenário da Câmara Municipal de Parauapebas, por meio do Projeto de Decreto Legislativo nº 001/2016, aprovou em segunda e última discussão, na sessão ordinária desta terça-feira (31), a concessão da comenda “Cidadão Honorário” ao artesão Valter Desidério Barreto, “em reconhecimento à importante iniciativa ambiental, pela autoria da técnica inédita de confecção de produtos utilitários com caroços de açaí”.


Mais uma vez agradecemos aos nobres vereadores parauapebenses, pela gentileza de nos conceder tão honrada e cobiçada comenda, em reconhecimento a importância da nossa descoberta, da técnica inédita no mundo, do aproveitamento de caroços de açaí na confecção de produtos utilitários, que beneficiam a natureza, o meio ambiente, e principalmente o homem. 

Texto e fotos:

Jornalista Valter Desiderio Barreto.  


















Justiça declara abusiva a paralisação dos servidores públicos municipais nesse 1º de junho



Nesta terça-feira, 31 de maio, a juíza de Direito, Ana Tereza Waldemar da Silva, decidiu Ação Civil Pública em favor do Município de Parauapebas, considerando abusivo o movimento grevista organizado pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Parauapebas –SINSEPPAR.

De acordo com o processo Nº 0008658-67.2016.8.14.0040, a Doutora Ana Tereza da Silva, decide:
1)    “Declarar abusivo o movimento grevista, impondo multa no valor de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) a ser suportada pelo demandado por dia de paralisação dos serviços públicos municipais;”
2)    “Determinar que os servidores, grevistas, filiados ou não ao sindicato requerido, abstenham-se de impedir o livre acesso da população aos prédios onde funcionam os serviços públicos municipais, sob pena de multa diária no importe de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) a ser suportada pelo demandado”.

Em um cenário de crise econômica financeira que assola o país e o mundo, vários estados e grandes capitais estão pagando reajustes abaixo da inflação e também parcelados, apesar de terem economia estável.  

Parauapebas foi o município do Pará que concedeu o maior índice de reajuste em 2016, de 11,27%, como também a atualização do vale-alimentação de R$ 445,00.

A Prefeitura de Parauapebas reforça o seu compromisso com o servidor público municipal e que, mesmo num cenário econômico desafiador e de queda na arrecadação, o Governo Municipal complementa o pagamento do seu pessoal por entender que o serviço prestado por seus profissionais é fundamental para o desenvolvimento social do município.



Prefeitura Municipal de Parauapebas | Assessoria de Comunicação Social
Núcleo de Imprensa | imprensa@parauapebas.pa.gov.br
(94) 3356-0531 / 3346-1005 - Ramal 2079
  | (94) 8807-7734
www.parauapebas.pa.gov.br

Filho de 7 anos de Michel Temer tem R$ 2 milhões em imóveis

Michelzinho é o único herdeiro do casamento com Marcela Temer
Da Redação, com Estadão Conteúdo 
 (redacao@correio24horas.com.br)
Atualizado em 30/05/2016 10:36:58


Michel Miguel Elias Temer Lulia Filho, 7 anos, o Michelzinho, é dono de pelo menos dois imóveis cujos valores superam R$ 2 milhões.

Michelzinho, filho do presidente em exercício Michel Miguel Elias Temer Lulia, 75 anos, é o único herdeiro do casamento com Marcela Temer e é dono de dois conjuntos comerciais que abrigam seu escritório político em São Paulo. 

As informações são de O Estado de S. Paulo.
Michel Temer vota nas últimas eleições ao lado da mulher e do filho pequeno (Foto: Reprodução/YouTube)

Localizados no Edifício Lugano, no Itaim-Bibi, zona sul da capital paulista, cada conjunto tem 196 m² e valor venal de R$ 1.024.802, segundo a Prefeitura de São Paulo - os dados são públicos e podem ser consultados na internet. 

O valor de mercado costuma ser de 20% a 40% mais alto do que o valor de referência usado pela Prefeitura para calcular o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

Mesmo assim, na declaração de bens que Temer apresentou à Justiça Eleitoral em 2014, cada conjunto é avaliado em apenas R$ 190 mil. 

Isso é comum nas declarações de políticos, pois os imóveis costumam ser declarados pelo valor de quando foram comprados. 

A legislação não obriga a atualização do valor.

Doação

A assessoria de imprensa de Temer informou que a transferência foi feita como doação, uma espécie de antecipação da herança, e que as filhas do presidente em exercício também já receberam imóveis em outros momentos. 

A assessoria não esclareceu quais imóveis foram doados para as filhas, nem em que data isso ocorreu.

Luciana, Maristela e Clarissa, fruto do primeiro casamento de Temer, são proprietárias de imóveis residenciais na zona oeste de São Paulo, segundo a Prefeitura. 

A primeira também é dona de um escritório no mesmo prédio onde ficam os imóveis transferidos para seu irmão.

Outros bens

No caso da declaração de bens de Temer apresentada quando foi candidato a vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff, a casa que possui na zona oeste de São Paulo também está subavaliada. 

Em 2014, o presidente em exercício declarou a residência de 415 m² no Alto de Pinheiros, comprada em 1998, por R$ 722.977,41. 

Na Prefeitura, o valor venal é de R$ 2.875,109. 

Sobre esse valor incide a cobrança de IPTU.

Se a casa e os dois conjuntos do Itaim-Bibi tivessem seu valor corrigido para pelo menos o valor venal, o patrimônio declarado de Temer aumentaria em pelo menos R$ 3,6 milhões e chegaria a um total de mais de R$ 11 milhões.

Isso não inclui outra casa, de R$ 1.434.558, no bairro do Pacaembu, pela qual ele responde a uma ação por não pagamento de IPTU, e que Temer diz ter vendido.

O patrimônio do presidente interino cresceu rapidamente desde 2006. 

 Naquele ano, Temer foi candidato a deputado federal e declarou bens no valor de R$ 2.293.645,53. 

Se corrigido pelo IGP-M da Fundação Getúlio Vargas, eles corresponderiam, em 2014, a R$ 3.678.526,22. 

Porém, seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral em 2014 já havia crescido para R$ 7.521.799,27. 

Ou seja, mais do que dobrou acima da inflação entre duas eleições - e isso sem levar em conta a valorização dos imóveis.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Pastor, mulher, irmão e quatro filhos morrem em acidente em Mato Grosso

 

 

 

 

 

 

 

 

Família estava em carro que foi atingido por um caminhão na BR-174.
Polícia diz que nenhuma das vítimas usava cinto de segurança.

 

Denise SoaresDo G1 MT
Pastor, mulher, irmão e quatro filhos morrem em acidente em Mato Grosso (Foto: Divulgação)Pastor, mulher, irmão e quatro filhos morrem em acidente em Mato Grosso (Foto: Divulgação)


Um pastor evangélico, a mulher, o irmão e os quatro filhos dele morreram após um acidente nesta segunda-feira (30) na BR-174, entre as cidades de Juruena e Castanheira

Segundo informações da Polícia Militar e da Polícia Civil, a família estava em um Fiat Uno que foi atingido por um caminhão. 

Todos os ocupantes do carro morreram presos às ferragens.

De acordo com a polícia, a batida ocorreu a 60 km de Juruena, que fica a 893 km de Cuiabá. 

A família morava no Distrito Agrovila, entre  Cotriguaçu e Juruena – cidade para onde eles seguiam no momento do acidente. 

Conforme a polícia, o pastor, identificado como Claudemir Pereira de Carvalho, era quem dirigia o veículo.
Acidente matou sete pessoas da mesma família na BR-174 (Foto: Divulgação)Acidente matou sete pessoas da mesma família na BR-174 (Foto: Divulgação)


Ele viajava com a mulher e o irmão dele. 

Também estavam no carro os quatro filhos do casal, todos meninos e menores de idade. 

As identidades das demais vítimas ainda são apuradas pelos policiais.

A Polícia Militar declarou que o motorista do caminhão, identificado como Antônio Altemir Alves, não estava com sinais de embriaguez.

Ele relatou que o veículo da família teria ficado sem controle, invadido a contramão e ido de encontro ao caminhão. 

Antônio disse à polícia, ainda no local do acidente, que tentou jogar o caminhão para fora da estrada para evitar a batida, mas não havia acostamento. 

Ele ainda freou o veículo antes da batida, segundo verificaram os investigadores.
Pastor teria invadido a faixa contrária e carro acabou atingido por caminhão (Foto: Juína News)Pastor teria invadido a faixa contrária e carro acabou atingido por caminhão (Foto: Juína News)


Todas as pessoas no Fiat Uno estavam sem o cinto de segurança na hora do acidente, segundo a polícia. 

Eles morreram ainda dentro do veículo, que foi esmagado pelo caminhão.

Saiba mais.
Os corpos das vítimas foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) da cidade de Juína, a 737 km de Cuiabá. 

O condutor do caminhão estava em choque e se comprometeu a ir prestar depoimento na Polícia Civil.

A Polícia Civil informou que os pneus do veículo onde a família viajava estavam em péssimo estado de conservação. 

Os policiais civis aguardam resultados de perícias e laudos para apurar as causas do acidente. 

Não há informações sobre o velório das sete vítimas.

Parauapebas ganha mais segurança e fluidez no trânsito com interligação da nova Rua Belém


“Esse era um local muito perigoso, escuro e feio. 

Estou muito feliz com a nova rua onde agora posso até fazer meus exercícios”, garantiu a aposentada Vivencia de Sousa, que mora próximo à interligação da Rua Belém que na tarde desta segunda-feira (30) foi oficialmente aberta à população em uma cerimônia de inauguração. 

O prefeito Valmir Mariano, secretários do governo municipal, vereadores, imprensa e comunidade compareceram ao evento de mais uma obra de mobilidade urbana.


Muito animado com mais essa conquista, o prefeito lembrou dos esforços para criar mais essa alternativa para a diminuição do número de acidentes  e melhor fluidez no trânsito do município. 

A interligação não corresponde apenas à mão de obra, equipamentos e material de construção. 

Algumas das áreas tiveram que ser desapropriadas e seus donos indenizados. 

“Essa obra deu um trabalho tremendo, mas ousei fazê-la. 

Para mim, o mais importante é o que ela pode trazer para nossa população: a preservação da vida”, explicou.


Presente na cerimônia, o vereador e líder da Câmara Municipal de Vereadores Ivanaldo Braz falou sobre mais essa conquista. 

“Essa obra é uma conquista para Parauapebas, especialmente pelo momento que todo o país atravessa em meio à crise política. 

Quantos municípios estão compartilhando de momentos iguais aos que temos vivido com tantas obras inauguradas e muitas outras à caminho?”, questionou.


Valmir Mariano garantiu que a interligação da Rua Belém foi apenas a primeira parte do projeto. 

“Em breve, acabaremos com o canal em frente das Chácaras”, afirmou e finalizou dizendo que a obra vem complementar um trabalho que tem como principal objetivo a segurança da comunidade. 

“O mais importante é a preservação da vida. 

É isso o que obras como essa, a duplicação da PA-160 e Rodovia Faruk Salmen, além da extensão da Rua E vão garantir”, completou.

Ao final do evento, um grupo de mulheres do grupo de Zumba, que combina músicas latinas e internacionais com um sistema de exercícios, animou a cerimônia. 

As aulas de Zumba são oferecidas por meio da Secretaria Municipal de Cultura.


Prefeitura Municipal de Parauapebas | Assessoria de Comunicação Social
Núcleo de Imprensa | imprensa@parauapebas.pa.gov.br
(94) 3356-0531 / 3346-1005 - Ramal 2079  | (94) 8807-7734
www.parauapebas.pa.gov.br

 





Advogada de MT descreve experiência como acompanhante de luxo em blog

Após demissão, ex-professora universitária começou a fazer programas no DF.
Ela recebeu o incentivo e permissão da própria mãe para se tornar cortesã.

 

Do G1 MT
Claudia de Marchi atende pelo nome de Simone Steffani (Foto: Arquivo pessoal/ Claudia de Marchi) 
Cláudia de Marchi atende pelo nome de Simone Steffani (Foto: Arquivo pessoal/ Cláudia de Marchi)


Ex-professora de direito, Cláudia de Marchi, de 34 anos, se tornou acompanhante de alto luxo, em Brasília, após perder o emprego em uma faculdade e abandonar a carreira de 11 anos como advogada. 

Moradora de Sorriso, a 420 km de Cuiabá, ela descreve a rotina de trabalho em um blog. 

Ela disse ter sido demitida sem justificativa e, com contas para pagar e desempregada, decidiu se tornar cortesã. 

Para isso, recebeu o incentivo e permissão da própria mãe. 

Cláudia se diz criteriosa ao selecionar os clientes. 

Desde abril, ela atende pelo nome de Simone Steffani na capital do país.

Como professora, Cláudia já mantinha um blog sobre feminismo, política, entre outros assuntos em que sentia necessidade de expor a opinião dela. 

Como Simone, ela publica as experiências sexuais durante os atendimentos e até normas de etiqueta para os homens que desejam contatá-la.

"Me graduei, especializei, tenho 11 anos de profissão. 

A decisão de me tornar cortesã foi muito bem pensada. 

Não me escondo nas fotos, minhas opiniões e experiências. 

Escrevo porque gosto de escrever", contou.

A cortesã contou ao G1 que a seleção do material a ser publicado é bastante emocional. 

Simone pretende permanecer na profissão por, pelo menos, dez anos e os registros também servem como arquivo, caso ela queira fazer um livro. 

Como a maioria da clientela que tem atendido é fixo, retorna toda a semana, de vez em quando, acontecem episódios de ciúmes.

Saiba mais:

"Existem os casos em que gostei e escrevo. 

Outros prefiro reservar. 

Existem os que são tão bons que nem escrevo, com medo magoar os outros. 

É engraçado, eles leem o blog e comentam os textos comigo. 

Alguns demonstram ciúmes", explicou.

Segura de si, ela não esconde o rosto das fotos sensuais de divulgação e acredita que isso é um diferencial no mercado, pois, geralmente, as meninas costumam preservar o rosto. 

Ela acredita que o gosto pelo sexo também é um ponto positivo nesse meio.

Seleção de clientes.
 
Ela contou que sempre foi chata e seletiva para se envolver sexualmente. 


Era preciso alguns jantares e galanteios se decidir a manter relações sexuais com algum homem. 

Na nova profissão, não é diferente. 

A cortesã disse que chega a perder, pelo menos, R$ 1 mil por dia ao descartar clientes.

“Faço o que faço por gostar! 

E é por isso que não acato clientela inculta, vulgar ou sem finesse”, disse.

O pseudônimo Simone é uma homenagem à intelectual feminista Simone de Beauvoir. 

O sobrenome Steffani simplesmente combinou. 

Esquerdista, ela revelou que não atenderia políticos que atuam de forma fascista. 

E também descarta os clientes que são vulgares ao telefone. 

Um padrão de intelecto, posição social e educação são exigidos pela moça.

“Sinto mais atração por políticos de esquerda. 

Atenderia os de direita se fossem extremamente charmosos, ou se eles escondessem que eram políticos. 

Mistérios também tornam os momentos excitantes”, disse.

Valores.

Feminista, Simone diz não se submeter a qualquer situação ou prática sexual que não concorde. 


Não aceita a presença de outras mulheres na cama e responde os clientes sem etiqueta. 

No blog é possível conferir diversos diálogos com clientes grosseiros e a orientação para os homens não se comportarem daquela forma. 

Ela atende no próprio apartamento, uma região bem localizada de Brasília, ou em hotéis de luxo da capital.

No futuro, se tudo der certo, Simone pensa em oferecer aulas, workshops, cursos de como se portar melhor e se valorizar como cortesã. 

As orientações iriam desde a escolha dos catálogos até a noções de feminismo. 

Mas estes ainda são planos, pois, por hora, ela ainda tem apenas curtido as novidades da nova profissão.

Os custos da profissão são baixos. 

Para manter o anúncio no catálogo virtual, ela paga R$ 400 e mais o apartamento, que não revelou o valor. 

Simone costuma receber um cliente por dia, ou no máximo dois, para atender os homens que já são conhecidos, e cobra R$ 500 por hora. 

Uma noite inteira custa R$ 2,5 mil e a companhia em viagens sai por R$ 1,5 mil a diária. 

Ela deve viajar com um cliente para a Alemanha, em julho, e esta será a primeira experiência fora de Brasília.

Entrando no mercado.

Após tomar a decisão de se tornar cortesã, em fevereiro, ainda em Sorriso, Simone produziu um ensaio fotográfico sensual, sem nudismo, para enviar aos sites de catálogo de garotas de programa. 


Ela não revelou ao amigo, que tirava as fotos, em que pretendia começar a trabalhar, por receio de não gostar e depois mudar de ideia.
Ela tinha 11 anos de carreira como advogada e era professora de direito (Foto: Arquivo pessoal/ Claudia de Marchi) 
Ela tinha 11 anos de carreira como advogada e era professora de direito (Foto: Arquivo pessoal/ Cláudia de Marchi)


A princípio, Simone entrou em contato com dois sites de catálogos específicos. 

Um deles era profissional, com um atendimento especializado e sem vulgaridades ou brincadeiras no momento dos negócios. 

Outro não. 

E, segundo ela, poderia ter sido o pior negócio da vida de qualquer garota. 

Inexperiente, ela tinha apenas uma noção do valor que cobraria pela hora do encontro, R$ 500 a hora, mas esperava também algum auxílio dos sites.

“Esse outro era vulgar, cheio de lábia, me elogiando. 

Ele disse que alugava flats para as meninas e dava todo o suporte. 

Disse que eu ganharia muito dinheiro, mas queria que eu cobrasse metade do valor que eu queria”, relatou.

Ela então interrompeu o contato com esse homem, o qual, em Brasília, ela descobriu que era famoso por explorar mulheres. 

Realocá-las em moradias desconfortáveis e caras, quase em regime de escravidão, por impor dívidas, que nunca são sanadas.

Ao entrar no mercado, Simone achou que a idade lhe prejudicaria com os clientes, mas estava enganada. 

“Meus clientes são diferenciados e procuram também por uma diferenciação. 

Tenho uma carreira, sou uma eterna estudante e não atendo qualquer um. 

Essa semana, por exemplo, só atendi a dois clientes novos. 

Todos os outros já tinham ficado comigo antes”, disse.

Apoio da mãe.

A ideia surgiu após a mãe de Cláudia ter se impressionado com a vida de algumas prostitutas entrevistadas em um programa de TV, em junho de 2015.


As duas moravam juntas em Sorriso e mantêm uma relação muito próxima. 

Nas ocasiões em que desejavam algo, mas não podiam comprar, a mãe relembrava o alto padrão e relato de vida daquelas garotas de programa. 

 Admirava-as pela coragem e independência. 

Cláudia, que é feminista, achava engraçada a postura da mãe, mas não discordava, segundo a advogada.

“Eu pensava que nem tudo seria flores. 

Encontrar tarados, maníacos, por exemplo. 

Eu pensava que isso poderia ser muito perigoso”, disse a cortesã.

Em fevereiro deste ano, Cláudia perdeu o emprego. 

Advogada, pós-graduada e cronista de um blog, ela contou que passou um momento de reflexão, quase depressivo, quando se viu desempregada. 

Prestar concurso público não era uma opção, apesar de acreditar que passaria, esse não é o perfil de trabalho que a agrada. 

Divorciada há cinco anos, ela também já havia decidido não mais se casar.

Virar acompanhante nunca foi um sonho, claro. 

Ao passar pelas fases de luto após ficar desempregada, Cláudia conta que percebeu estar cansada do machismo na advocacia. 

Era um problema ser bonita e cobrar os honorários. 

O comodismo masculino também a desiludiu nos relacionamentos. 

Ela contou que nunca foi deixada, mas que os namorados que teve "relaxavam" depois de certo tempo e essa era uma experiência cansativa.

“Perguntei para ela: 'mãe, e se eu resolvesse virar prostituta?' 

Ela me respondeu de imediato que esta seria a melhor decisão da minha vida, já que eu estava desempregada, não pretendia casar e nem entrar em um cargo público”, relatou.

Para isso, mudar de cidade foi inevitável. 

Na avaliação dela, esta não é uma profissão para o interior. 

Ela já tinha visitado Brasília em duas outras ocasiões e se apaixonou pelo Plano Piloto. 

Dentre as grandes cidades, a capital brasileira é a mais elegante, na opinião dela.


COMENTÁRIO: 

Mais uma prostituta da alta sociedade, no mercado "disputadíssimo" da prostituição, com o incentivo de sua querida mamãe !

Que desculpa esfarrapada essa mulher dá para entrar no mercado da prostituição !

Isso se chama PROSTITUIÇÃO, PROMISCUIDADE e ADULTÉRIO mesmo, já que ser "Cortesã" (puta), atende solteiros e casados.

A princípio, ninguém  tem nada a ver com a decisão que essa "ninfeta" tomou na vida dela. 

A vida é dela, o corpo é dela, a vontade de ser promíscua é dela, agora usar veículo de comunicação para promover uma atividade milenar conhecida como prostituição mudando o seu nome para "Cortesã", qualquer pessoa tem o direito de opinar, a favor ou contra esse acinte as famílias, como uma instituição sagrada criada por Deus. 

Com certeza absoluta, essa manifestação dessa "ex-professora de Direito" é um grande incentivo para moças jovens e adolescentes engrossarem as fileiras da prostituição no mercado do Brasil e do mundo. 

Mais uma vez quero afirmar aqui que Educação não transforma a vida de ninguém neste mundo, só quem tem o poder de transformar vidas, é o Senhor e Salvador Jesus Cristo através do Evangelho. 

Prova do que estou dizendo, é só acompanhar a Operação Lava Jato, e observar que a maioria dos envolvidos  nos crimes que lhes são atribuídos pela Justiça, são detentores de formação universitária.

"Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo". II CORÍNTIOS 5: 17.


Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? 


Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus".  I CORÍNTIOS 6: 9 e 10.


"Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas.

Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira". APOCALIPSE 22: 14 e 15.
 

"Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se transpassaram a si mesmos com muitas dores". I TIMÓTEO 6: 10.

O que fez essa mulher renunciar a sua carreira de professora de Direito, e 11 anos de carreira, segundo ela, não foi nada disso, foi simplesmente o grande amor pelo dinheiro fácil vendendo o seu corpo, estimulado pela sua própria mãe. 

Tenho pena das duas: mãe e filha.


Valter Desiderio Barreto.